Província do Rio de Janeiro

Pe. George Gregory Gay, superior geral da Congregação da Missão e da Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, chegou ontem, dia 19 de novembro, às 20.09 horas, ao aeroporto Antônio Carlos Jobim (Galeão), Rio de Janeiro, para uma visita às Províncias da Congregação da Missão (Rio de Janeiro) e Filhas da Caridade (Rio de Janeiro e Belo Horizonte).

DIA 20/07/2007

Hoje, dia 20, após o café da manhã, o Superior Geral visitou as instalações do Colégio São Vicente de Paulo acompanhado pelo superior da Sede Provincial e Diretor do Colégio Pe. Lauro Palú.

Nesta manhã o superior geral esteve disponível para atendimento individual aos membros da Província Brasileira da Congregação da Missão que residem e trabalham no Rio de Janeiro. Pe. Gregory almoçou com representantes da Família Vicentina, regional do Rio de Janeiro e às 15 horas, em companhia do visitador provincial Pe. Agnaldo Aparecido de Paula e do econômo Provincial Pe. Geraldo Eustáquio Mól Santos viaja para Petrópolis onde participará de encontro com os estudantes do Seminário Interno, às 17 horas. Às 18.30 horas Pe. Gregory preside celebração eucarística que contará com a participação dos diversos ramos da Família Vicentina em Petrópolis. No dia 21, às 7.30 horas inicia sua viagem para Belo Horizonte. A acolhida em Belo Horizonte será na Casa Dom Viçoso, prevista para às 12.30 horas.

Pe. Gregory almoçou com os membros da PBCM que residem e trabalham no Rio de Janeiro, membros da Família Vicentina e funcionários do Colégio São Vicente.

Após calorosa acolhida pelos seminaristas da PBCM, CMPS e PFCM o superior geral conheceu as instalações da casa do Seminário Interno. Às 17.20 horas o superior geral participou de reunião com a comunidade local onde respondeu a várias perguntas dos membros da comunidade. Pe. Gregory destacou a importância da etapa do Seminário Interno como coração de todo processo de formação do missionário vicentino na Congregação da Missão.

Na reunião com a Comunidade do Seminário Interno Interprovincial São Vicente de Paulo Pe. Gregory, superior geral, disse “Vocês estão sendo formados em uma província, mas para a Congregação. Não se pode perder de vista a internacionalidade da Congregação, as missões além das fronteiras da província e até mesmo do próprio país. Creio que isso já vem sendo concretizado com as atividades interprovinciais que no Brasil e na América Latina através da CLAPVI vem sendo desenvolvidas”. O Superior Geral enfatizou durante sua fala que “todos somos membros da Congregação de uma Congregação internacional, uma Congregação que por natureza e origem é missionária. Todos nós somos missionários independentemente do lugar onde estamos prestando nossos serviços. Existe uma forte crítica de que alguns seminaristas e coirmãos mais jovens estão um pouco acomodados e resistem a sair do lugar onde estão. Pessoalmente não acredito que isso seja verdade. É preciso disponibilidade para ir onde existem maiores necessidades e para onde estão sendo chamados e enviados pelos superiores”.

Um dos seminaristas perguntou ao Superior Geral quais são os principais obstáculos que tem dificultado a consciência de internacionalidade da Congregação. Pe. Gregory respondeu que houve um tempo em que a Congregação era muito centralizada. Todo missionário, mesmo quando era de origem estrangeira, tinha que passar pela França e de lá ser enviado para as missões. Isso para se ter claro que era a Cúria Geral quem enviava. Com as novas Constituições a realidade mudou bastante, talvez com o objetivo de descentralizar o poder excessivamente centralizado. No entanto, a Internacionalidade não parece ser o elemento mais destacado nas Constituições que parecem favorecer muito mais um modelo do tipo Confederação de Províncias com muito poder nas mãos do visitador e seu Conselho. As novas Constituições favorecem muito a autonomia das Províncias com algumas, inclusive agindo de forma bastante independentes. Que não se entenda com esta fala que o superior geral está querendo novamente a centralização da Congregação, mas maior unidade entre as províncias e maior consciência e prática da unidade e corresponsabilidade.

Outro seminarista perguntou ao Superior Geral o que a Congregação da Missão tem feito para revitalizar o Carisma da Congregação neste milênio.
O Superior Geral respondeu que várias atividades vêm sendo desenvolvidas, tais como: a revisão das Constituições depois de 20 anos de sua redação e vivência; a insistência na formação inicial e permanente; o avanço progressivo na utilização do método ver-julgar-agir, muito conhecido na América Latina, mas não em outros continentes; os trabalhos da Comissão para Mudança de Estruturas coordenada pelo Pe. Robert Maloney com a participação de vários representantes da Família Vicentina. Se bem compreendida e assumida o projeto desta Comissão provocará verdadeira transformação não só na Congregação da Missão, mas na Família Vicentina. É preciso ultrapassar das atividades assistencialistas (haverá ocasiões em que as necessidades exigirão respostas imediatas, emergenciais e assistencialistas, evidentemente) e até mesmo os projetos promocionais, pois também estes são insuficientes, e agir sobre as estruturas, assumindo a consciência e a prática da Caridade Política. O Superior Geral afirmou “acredito que este projeto ‘Mudança de Estruturas’ mudará a face da Família Vicentina”.

Às 18.30 horas o superior geral presidiu a celebração eucarística com a participação dos representantes dos vários ramos da Família Vicentina presente em Petrópolis (RJ): Sociedade de São Vicente de Paulo, Filhas da Caridade, Juventude Marial Vicentina e Associação Internacional de Caridades. Estiveram presente respesentantes das comunidades do Sertão do Carangola e Morro do Alemão onde nossos seminaristas e padres desenvolvem atividade missionária. Concelebraram os seguintes coirmãos: Pe. Agnaldo Aparecido de Paula, Pe. Getúlio Mota Grossi, Pe. Eduardo Raimundo e Pe.Fantico que acabava de chegar e foi acolhido como novo membro da equipe de formação do Seminário Interno Interprovincial São Vicente de Paulo. Ao Pe. Fantico as nossas boas vindas.

A Comunidade do Seminário Interno Inerprovincial neste dia, 21 de julho, sábado, na oração da manhã rendeu suas homenagens a Nossa Senhora, devoção tão rica e querida ao coração de São Vicente de Paulo. Assim podemos ler nas atuais Constituições da Congregação da Missão “Com especial devoção, cultuaremos também Maria, Mãe de Cristo e da Igreja. Ela, na expressão de São Vicente, contemplou e traduziu em sua vida a mensagem evangélica, de modo mais profundo que todos os fiéis. Manifestaremos, de diversas formas, nossa devoção à Imaculada Virgem Maria, celebrando piedosamente suas festas e invocando-a com frequência, sobretudo por meio do rosário. Divulgaremos a mensagem especial, expressa por sua maternal benevolência na Medalha Milagrosa”. (C, 49)
Terminada a oração seguiu-se o café da manhã em que a beleza e fartura da mesa somente vieram a confirmar a afetuosa e fraterna acolhida de todos os membros da Comunidade do Seminário Interno.
Depois das inúmeras despedidas que, discreta e inconscientemente, demonstravam o desejo de segurar por mais tempo o Superior Geral naquela Comunidade, às 8.30 horas Pe. Geraldo Eustáquio Mól Santos conduziu o Pe. Gregory e Pe. Agnaldo à Casa Dom Viçoso, em Belo Horizonte (MG).

Na Casa Dom Viçoso o superior geral foi acolhido pelo Pe. Célio M. Deell’Amore, coirmãos e seminaristas.

Terminado o almoço e o merecido descanso da viagem o Superior Geral foi levado à Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Contagem (MG) para visita às comunidades e celebração eucarística.

22
Nem todos os anfitriões haviam se levantado quando o Superior Geral dirigiu-se à Capela da Casa Dom Viçoso para sua oração pessoal. Tomou o café da manhã com os coirmãos da Comunidade Local, participou da oração comunitária.

Por volta das 9 horas dirigiu-se, em companhia do visitador provincial, Pe. Agnaldo e do coordenador regional da Família Vicentina, Pe. Raimundo, para visita à Comunidade do Teologado S. Justino de Jacobis.

VISITA À PARÓQUIA SÃO JOSÉ (Calafate – Belo Horizonte – MG)

A visita aos coirmãos que residem e trabalham da Paróquia São José do Calafate (Belo Horizonte) foi o segundo compromisso deste domingo. Nesta comunidade Pe. Gregory visitou a Igreja matriz onde recebeu o carinhoso cumprimento dos representantes de vários movimentos e pastorais da Paróquia.

Na casa paroquial reuniu-se com os coirmãos Pe. Dejair Roberto De Rossi (superior local), Pe. José Debórtoli (pároco), Pe. Onésio Moreira Gonçalves (diretor provincial das Filhas da Caridade, província de Belo Horizonte), Pe. Sebastião Agatão Dias e Pe. Geraldo Humberto Venuto da Silva (vigários paroquiais). O Superior Geral durante o almoço, além da presença de todos os coirmãos da comunidade local, contou com a presença de alguns leigos que mantêm estreita ligação de afeto e fraternidade com a Congregação da Missão.

VISITA À PARÓQUIA PAI MISERICORDIOSO (Belo Horizonte – MG)

Às 14.50 horas o Superior Geral, em companhia do Pe. Agnaldo e Pe. Raimundo, partiu para mais um dos compromissos agendados para este dia. Na Paróquia do Pai Misericordioso (Belo Horizonte) residem e trabalham os seguintes coirmãos: Pe. Francisco Ermelindo Gomes (pároco), Pe. Tadeu Oliveira Santos Porto (vigário paroquial), Ir. Milton Pereira de Jesus e Ir. Deoclides Magalhães Rodrigues. Nos fins de semana e em ocasiões especiais a paróquia conta com a colaboração do Pe. Luiz Roberto Lemos do Prado (vigário paroquial, mas residente no Seminário S. Justino de Jacobis) e de vários seminaristas.

Nesta Paróquia o Pe. Gregory, superior geral, teve a oportunidade de conhecer rapidamente a realidade local, passou em todas as 10 comunidades onde conversou brevemente com alguns leigos e a todos abençoava. Não é preciso nem dizer que a alegria de todos era imensa e até mesmo se sentiam envaidecidos e um “santo” orgulho de terem a honra de receber a visita do 23º sucessor de São Vicente de Paulo.

Com um pouco de atraso, a reunião com os representantes dos diversos ramos da Família Vicentina na região de Belo Horizonte começou pro volta das 17.15 horas. Calorosa foi a acolhida à porta da Igreja São José Operário (Paulo VI), que também é conhecida como Igreja Matriz. A Paróquia é dedicada ao Pai Misericordioso, para o qual ainda não existe um templo. No entanto, isto não impede que o Pai Misericordioso receba a honra, adoração e homenagem que lhe devida em todas as 10 comunidades.

A reunião com os representantes da Família Vicentina da região de Belo Horizonte seguiu o seguinte esquema:

– Acolhida ao Superior Geral

– Apresentação dos trabalhos que o região vem realizando como Família Vicentina

– Apresentação dos trabalhos realizados pelos ramos da Família Vicentina

– Palavra do Superior Geral, Pe. Gregory

– Palavra do Visitador Provincial, Pe. Agnaldo

– Oração da Família Vicentina

– Lanche

– Celebração Eucarística

– Confraternização

Pe. Gregory falou da importância e da atenção que tem procurado dedicar ao trabalho de animação, unidade e fortalecimento dos laços entre os diversos ramos da Família Vicentina. Convidou a todos os membros da Família Vicentina para acolher com alegria e se empenharem com entusiasmo na campanha que será lançada no próximo dia 27 de setembro com o tema “Mudança de Estruturas” e com duração prevista inicialmente para durar dois anos, mas com possibilidade de ser estendida por mais um ano. Na circular de 31/5/2007 assinada pelos dirigentes internacionais de alguns dos maiores ramos da Família Vicentina podemos ler “O conceito de mudança de estruturas é atual. São Vicente não o conheceu, embora tenha expressado muitas idéias que podem referir-se a ela. Quando reuniu o primeiro grupo de mulheres na conferência de Châtillon-les-Dombes, em novembro de 1617, escreveu no regulamento que redigiu para elas (SC XIII, 423) que os pobres, algumas vezes sofrem mais por falta de organização que pela ausência de pessoas caritativas. Continuamente, estimulava os membros de sua família a amar os pobres ‘espiritual e corporalmente’, ‘afetiva e efetivamente’. Animava seus seguidores a analisarem os diversos aspectos da vida dos pobres para ver quais eram as suas necessidades mais importantes: alimentação, cuidado da saúde, educação, trabalho, atenção espiritual. Hoje somos conscientes de que os pobres vivem em um sistema social no qual faltam muitas dessas coisas, um sistema que se conseguirmos mudar, ajudaremos as pessoas a saírem da pobreza. Ao celebrar a solenidade de São Vicente, pedimos ao Senhor que nos ajude a ser criativos, nos próximos anos, no ajudar a provocar a mudança de estruturas”.

VISITA DO PE. GREGORY ÀS FILHAS DA CARIDADE (Belo Horizonte)

Neste dia, após a audiência com o senhor arcebispo de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, o Superior Geral dedicou-se à agenda preparada pelas Filhas da Caridade.

ENCONTRO NACIONAL DOS ESTUDANTES VICENTINOS (ENEV)

Hoje, às 10.15 horas, na Capela Nossa Senhora das Graças, Casa Dom Viçoso, com missa presidida pelo Pe. Agnaldo Aparecido de Paula, visitador da PBCM, e concelebrada pelo Pe. Alexandre Nahass Franco, superior do Instituto São Vicente de Paulo (Belo Horizonte) e formador do propedêutico, iniciou-se o XXIVº Encontro Nacional dos Estudantes Vicentinos. O tema do encontro é “A missão vicentina à luz contexto eclesial latino-americano a partir da Vª Conferência Episcopal Latino Americana e Caribenha.

24 de julho
Neste dia, após o café da manhã com os coirmãos da Casa Dom Viçoso e a oração comunitária o Superior Geral, Pe. Gregory esteve no Hospital Madre Tereza para visitar e abençoar ao nosso coirmão Pe. José Evangelista de Souza que se encontra gravemente enfermo.

Concluída a visita ao Pe. Souza, o Superior Geral, participou de reunião com os estudantes vicentinos que se encontram reunidos para o XXIVº Encontro Nacional.

Após a reunião presidiu a celebração eucarística na capela N. Sra. das Graças da Casa Dom Viçoso. A Eucaristia foi concelebrada pelos coirmãos: Pe. Agnaldo Aparecido de Paula, Pe. Célio M. Dell’Amore, Pe. Onésio Moreir aGonçalves, Pe. Alexandre Nahas Franco, Pe. Edson de Oliveira Silva, Pe. Antônio Gomes Pereira e Pe. Dásio Moura. Também estiveram presente os coirmãos Ir. José Lázaro Dias e Ir. Thomas Glesnki, os seminaristas das da PBCM, CMPS e PFCM participantes do ENEV e vários leigos e leigas que frequentam a capela da Casa Dom Viçoso.

Às 15 horas o Pe. Gregory viaja para o Santuário do Caraça onde permanece até o dia 26 de julho, às 15 horas, quando retorna ao Rio de Janeiro.

25 de julho e 26 de julho

O Superior Geral da Congregação da Missão, Pe. G. Gregory Gay, esteve no Santuário do Caraça das 17.30 horas do dia 24de julho às 9 horas do dia 26 de julho, quando acompanhado do Pe. Agnaldo Aparecido de Paula, visitador provincial, e do Pe. Sebastião de Carvalho Chaves, administrador do Caraça, desceu para a Fazenda do Engenho.

UM POUCO DA HISTÓRIA DO CARAÇA

A história do Caraça teve seu início, quando, por volta de 1770, o eremita português Ir. Lourenço subiu a serra e aí edificou uma capela dedicada a Nossa Senhora Mãe dos Homens e a São Francisco das Chagas e organizou a Irmandade e a Romaria de N. Sra. Mãe dos Homens. O próspero centro de peregrinação e irradiação religiosa entrou em decadência com o envelhecimento e a morte do Ir. Lourenço.

Através da Carta Régia de 31/01/1820, Dom João VI concedeu a propriedade do Caraça aos recém-chegados padres da Congregação da Missão (Lazaristas ou Vicentinos), para ali, segundo intenção do fundador, “instalar um hospício para residência  de missionários  e,  no caso de não conseguir tal fim, um seminário para meninos, onde pudessem aprender as primeiras letras…”

Logo que tomaram posse da Casa, os padres da Missão iniciaram a pregação de missões em toda a região e organizaram um Colégio. Em 1842, o Colégio se transferiu para Campina Verde, ficando o Caraça,por alguns anos, quase vazio, esquecido e inativo. Em 1854, esta situação se modificou com a transferência do Seminário Maior de Mariana, dirigido pelos Lazaristas, para o Caraça (funcionou aí até 1882), tornando-se referência para Mariana e para Minas Gerais. Com o reforço de missionários vindos da França, o Colégio foi reaberto. A partir daí, como colégio e/ou seminário e casa de missões, o Caraça alcançou grande desenvolvimento religioso e cultural. Tornou-se um centro de educação, do qual saíram muitos padres, irmãos, bispos e políticos, educadores, escritores, médicos entre outros expoentes da sociedade mineira e brasileira.

Em 1912, o colégio encerrou suas atividades; em 1930, terminou a atividade das missões. O Caraça continuou a funcionar como Seminário Menor da Congregação da Missão até o trágico incêndio de 28/5/1968. No total, mais de 11.000 alunos passaram pelo Caraça, formando uma grande legião de jovens “para o serviço de Deus e da Pátria”.

Hoje, é uma referência cultural com seus muitos ex-alunos que se destacam em diversas áreas. Embora não seja mais uma escola formal, o Caraça tem-se prestado a numerosas iniciativas de pesquisa em variados campos da ciência, acolhendo um novo tipo de “alunos” – os pesquisadores e estudiosos.

Após o incêndio de 1968, o Caraça viveu momentos de indefinição e de grandes dificuldades. Foi com espírito de fé e trabalho e com heroísmo que a Província Brasileira da Congregação da Missão (PBCM) conseguiu manter e conservar esse patrimônio fazendo-o tornar-se um centro de peregrinação, cultura de turismo. Com recursos próprios e de órgãos públicos e empresas aos poucos foram empreendidas obras de conservação e restauração, sendo realizados uma série de melhoramentos e novos investimentos continuam ocorrendo.

Em 1/9/1994,a través da Portaria 32, de 20/3/1994, a PBCM conseguiu transformar a maior parte do território do Caraça em Reserva Particular do Patrimônio Natural, garantindo-o contra possíveis interesses danosos ao seu patrimônio natural.

ATIVIDADES DO SUPERIOR GERAL NO CARAÇA

Pe. Gregory, superior geral, como não poderia ser diferente, desde o primeiro momento mostrou-se encantado com a beleza do Santuário do Caraça. Disse que já tinha feito algumas leituras, disse já tinha ouvido falar do Caraça inúmeras vezes e disse também que viu muitas fotografias, mas que nada é capaz de retratar tamanha beleza que só se pode sentir e ver estando no Caraça pessoalmente.

Muitas foram as atividades das quais participou o Superior Geral no Caraça:

1) Encontro com os formadores das três províncias da Congregação da Missão no Brasil.

2) Encontro com os missionários, párocos e vigários paroquiais.

3) Atendimento aos Coirmãos.

4) Celebração Eucarística

5) Visita a muitas instalações do Caraça, tais como, o Museu, a Biblioteca, a Pinacoteca, a Ala dos Coirmãos, a Catacumba, o Claustro, a Cantina, o Refeitório etc.

6) Apesar do pouco tempo e a da agenda sempre muito cheia, também teve a oportunidade de fazer uma caminhada até a Cascatinha e Taboões.

7) E não deixou de prestigiar assistindo a visita que o lobo guará diariamente faz ao pátio do Santuário de Nossa Senhora Mãe dos Homens.

O SUPERIOR GERAL E OS FORMADORES

No dia 25 de julho o Superior Geral participou da reunião interprovincial dos formadores. Após a oração e apresentação dos presentes Pe. Gregory manifestou interesse de saber quais eram os maiores desafios enfrentados pelos formadores; quais as contribuições que eles podem e tem oferecido à Congregação da Missão em nível internacional; Que tipo de formação tem sido oferecido aos formandos além da dimensão acadêmica. Espontaneamente todos os participantes do encontro foram narrando ao Superior Geral o testemunho de suas vidas e ministério.

Pe. Gregory disse que nas diversas províncias que tem visitado vem insistindo sempre na idéia de que somos uma Congregação Missionária Internacional por natureza. Somos formados em província em particular, mas para a Congregação. O Seminário Interno é um tempo intenso de aprofundamento do Carisma da Congregação, no entanto é necessário fortalecer e manter o mesmo entusiasmo pela espiritualidade e missão vicentina em todas as etapas do processo de formação inicial e permanente. Pe. Gregory insistiu na idéia de que é preciso superar uma mentalidade e postura prática muito “provincialista” defendida por muitos coirmãos e províncias.

O Superior Geral destacou três grandes desafios que afirmou serem elementos fundamentais da formação inicial e permanente do missionário vicentino:

1) O Sentindo de pertença à Congregação.

2) O Acompanhamento Espiritual.

3) A Vida em Comunidade e o Trabalho em Equipe.

O SUPERIOR GERAL NA REUNIÃO COM OS COIRMÃOS EM GERAL

No dia 25 de julho, às 15 horas, o Superior Geral da Congregação da Missão, Pe. Gregory, encontrou-se com um grupo de mais de 30 membros da Província Brasileira da Congregação da Missão reunidos no Caraça. Após a apresentação dos presentes Pe. Gregory destacou em sua mensagem três elementos que chamou de “pilares na vida do missionário vicentino”.

1) A oração e sua dupla vertente: pessoal e comunitária. Disse que por sermos uma Sociedade de Vida Apostólica, profundamente envolvidos em uma série de atividades, muitas vezes se corre o risco de se dedicar pouco tempo para a oração, a meditação e a contemplação. A oração é fonte de vida para o missionário e torna o serviço de evangelização mais eficaz. As pessoas esperam de nós que sejamos pessoas de oração, nos querem homens de Deus e que as ajudem nesta mesma caminhada. Às vezes pode-se cair na rotina da celebração eucarística. Nada pior que uma missa celebrada sem alegria, fria e mecânica. Pe. Gregory pediu a todos os missionários padres que mantenham o ânimo na boa preparação das homilias, pois o povo merece e tem direito. Isso não significa longas pregações. Que todos os missionários sejam bons celebrantes da eucaristia e possam apresentar verdadeiramente, no seu próprio ser, viver e trabalhar, a presença do Senhor Ressuscitado para o povo.

2) A Vida Comunitária. Nesta questão o superior geral manifestou sua preocupação perguntando aos presentes “Como ajudar os coirmãos em situações difíceis?” Com esta finalidade foi realizado em Roma, no mês de janeiro deste ano, um curso que não tinha como único objetivo tratar de questões jurídicas ou dos coirmãos ausentes (legítima ou ilegitimamente), mas de oferecer às províncias elementos para que se evitem estas situações que são na verdade o desfecho de todo um processo. Existem províncias onde os coirmãos levam uma vida muito isolada, fechados sobre si mesmos, num falso respeito mútuo, onde não se diz a verdade para não se romper uma falsa “harmonia”. Cada membro da Congregação ou cada Comunidade Local é responsável uns pelos outros. Não se pode confiar esta responsabilidade única e exclusivamente ao superior local ou visitador provincial. Este apoio, cuidado e interesse nada tem a ver com “vigiar”, mas apoiar, ter a capacidade de aproximar-se do coirmão. Não podemos fazer de nossas comunidades um hotel. Onde não existe verdadeira vida de comunidade os que sofrem as maiores conseqüências são os pobres.

3) Evangelização dos Pobres. Vivemos em Comunidade para a missão. Precisamos fortalecer em nível de Congregação o trabalho em equipe. A Congregação da missão está cheia de coirmãos com bons projetos, mas que sofrem e fazem sofrer por não saber trabalharem juntos e viver em Comunidade. Também é preciso aprender a trabalhar em equipe com os outros que têm a mesma finalidade e missão da Congregação. Entre estes outros está a Família Vicentina. Felicito a Província do Rio de Janeiro pelo serviço que desenvolve neste sentido.

Como em outras ocasiões o Superior Geral afirmou “somos uma Congregação Internacional”. Todos são missionários independente do apostolado que desenvolve. O importante é que estejam em comunhão com os demais coirmãos, com a Congregação, com a Província e que o serviço favoreça a concretização da vocação e missão da Congregação de seguir Jesus Cristo evangelizador dos Pobres.

Pe. Gregory disse que tem procurado promover, através de uma Comissão, o projeto “Mudança de Estrutura”, abraçado também pela Família Vicentina como tema para a celebração comum por ocasião da festa de São Vicente deste ano e como proposta de ação para os próprios dois anos ou mais. Lutar com os pobres pela “Mudança das Estruturas” que oprimem, marginalizam e escravizam os pobres deve ser o nosso maior compromisso. Sem desconhecer a importância das mesmas em muitas ocasiões é preciso superar as práticas assistencialistas e mesmo os projetos que visam a promoção humano-social. Somos chamados a viver nossa espiritualidade e carisma vicentino lutando pela “Mudança de Estruturas”.

Ao final da reunião o Superior Geral colocou-se à disposição dos coirmãos para fornecer algumas informações e responder alguns questionamentos. Foram apresentadas questões ligadas à relação padres e irmãos na Congregação; presença dos coirmãos da Congregação na formação do Clero Diocesano; realidade internacional das Vocações para a Congregação; receptividade ao “apelo missionário” dirigido anualmente aos coirmãos no mês de outubro; solidariedade e maior colaboração financeira entre as províncias.

O SUPERIOR GERAL NA FAZENDA DO ENGENHO

Na Fazenda do Engenho o Pe. Gregory participou das seguintes atividades:

1) Conheceu as instalações e reformas que vêm sendo executadas para acolher pessoas interessadas em encontros, retiros e lazer.

2) Participou de uma reunião com os Irmãos da PBCM.

Anualmente os Irmãos da Província realizam um encontro para:
– partilhar suas experiências, conquistas e desafios;

– estudar temas relacionados à Identidade e Missão dos Irmãos na Congregação da Missão;

– fortalecer os laços de fraternidade e amizade.

Neste ano estão participando do encontro dos Irmãos Incorporados: Ir. Miguel Maria Generoso, Ir. José Lázaro Dias, Ir. Paulo Afonso Ferreira, Ir. Milton Pereira de Jesus; o Irmão Admitido: Ir. Adriano Ferreira Silva; e o candidato a irmão: Mirandi Santos Costa. O Encontro dos Irmãos da PBCM será encerrado com a celebração eucarística no dia 29 de julho, festa de Santa Marta, padroeira dos Irmãos.

3) Presidiu a Celebração Eucarística concelebrada pelos Pe. Agnaldo Aparecido de Paula, Pe. Maurício de Resende Paulinelli (que no dia 25 de julho celebrou 25 anos de ordenação sacerdotal), Pe. Sebastião de Carvalho Chaves.

4) Abençoou as instalações da Casa do Engenho.

5) Participou de almoço e confraternização com os Irmãos, coirmãos que residem e trabalham na casa, funcionários, amigos e alguns padres da PBCM.

Às 14.30 horas o Superior Geral, a contragosto dos coirmãos do Caraça e Fazenda do Engenho, retornou a Belo Horizonte e da capital mineira viajou para o Rio de Janeiro às 21.35 horas onde chegou às 22.25 horas aguardado no Aeroporto do Galeão pelos Padres Geraldo Mól e Lauro Palú. Após o jantar retirou-se para merecido repouso.

27 de julho

Neste dia 27 de julho a agenda do Superior Geral no Rio de Janeiro contempla uma série de atividades com as Filhas da Caridade, Província do Rio de Janeiro.

Às 8.20 horas o Pe. George Gregory Gay, Superior Geral da Congregação da Missão e da Companhia das Filhas da Caridade, foi recebido festivamente pela Ir. Jeny Borges da Silva, visitadora provincial, e por significativo número de irmãs que o cumprimentaram à porta do Santuário de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, no Matoso (Tijuca).

Após os cumprimentos, no presbitério do Santuário o Pe. Gregory ouviu a mensagem oficial de boas vindas à província feita pela Ir. Jeny Borges.

Em seguida todas as irmãs presentes entoaram alegremente o canto de Maria do povo (Magnificat). “Minh’alma dá glórias ao Senhor, meu coração bate alegre e feliz. Olhou para mim com tanto amor que me escolheu, me elegeu e me quis. E de hoje em diante eu já posso prever, todos os povos vão me bendizer. O poderoso lembrou-se de mim, santo é seu nome e sem fim…”

28 de julho

O Superior Geral da Congregação da Missão, Pe. G. Gregory, nesta manhã, às 8 horas, participou da Santa Missa como concelebrante na Capela das Irmãs do Sion. O presidente da celebração foi o Pe. Agnaldo Aparecido de Paula, visitador provincial da Província Brasileira da Congregação da Missão.

Capela do Colégio Sion – R. Cosme Velho – RJ

Após a celebração eucarística Pe. Gregory dirigiu-se para a Sede Provincial da Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, Servas dos Pobres, no Matoso (Tijuca) onde participou de reunião com o Conselho Provincial.

Fachada da Cúria Provincial das Filhas da Caridade – Rio de Janeiro

Visita do Superior Geral à “Sala das Memórias”, Cúria Provincial das Filhas da Caridade (RJ)

29 de julho

Nesta manhã, dia 29 de julho, último dia da visita à Província Brasileira da Congregação da Missão, o Superior Geral, Pe. Gregory, presidiu a Santa Missã às 8 horas na Capela do Colégio das Irmãs do Sion e visitou rapidamente o monumento ao Cristo Redentor. O tempo não estava muito favorável para a visita devido as nuvens e chuva.
Veja as imagens.

Na Capela do Colégio Sion.
Na estação esperando o Trem do Corcovado, Pe. Gregory e Pe. Agnaldo.
O Superior Geral no Trem do Corvocado e no Momunento ao Cristo Redentor.

O Superior Geral em frente do Monumento ao Cristo Redentor em dois momentos: antes e no início da chuva como se pode observar na segunda foto quando o Cristo começa a ficar encoberto pela neblina.

Na placa fixada na base do Momunento ao Cristo Redentor o nome do coirmão Pe. Pedro Maria Boss, lazarista, o idealizador do momunento. Pe. Boss falou de sua idéia com a princesa Isabel.

Os últimos instantes do Superior Geral aos olhos dos padres da PBCM e das Filhas da Caridade da Província do Rio de Janeiro que foram ao aeroporto para se despedirem do Pe. Gregório.

Estimado coirmão, amigo e Superior Geral, Pe. Gregório,
Muito obrigado pelo carinho, pela amizade, pelo estímulo, pelo testemunho vivo das virtudes missionárias vicentinas e pela visita.

Esteja certo que a sua visita, as suas palavras e o seu testemunho de vida muito nos edificaram.

Que o Senhor, nosso Deus, continue derramando abundantes bênçãos sobre o senhor para que possa continuar desempenhando com saúde, alegria, coragem e sabedoria a importante e desafiadora missão de 23º sucessor de São Vicente de Paulo.
Boa Viagem!

Pe. Agnaldo, CM