O LOGO AS ASSEMBLEIA GERAL – 2010

Pe. Alexis Cerquera, C. M.,
Província de Paris.

O “círculo” está atravessado por uma cruz que lhe dá orientação, desta forma simboliza o mundo, os quatro pontos cardeais, a história… É neste mundo que o missionário, atento aos sinais dos tempos, descobre a presença do Senhor em cada uma das expressões da sociedade e busca com criatividade e fidelidade à Palavra forjar no ser humano o chamado do Pai a viver segundo o Espírito.
O logo-símbolo proposto para a Assembleia Geral retoma como fundamento gráfico o círculo, figura da geometria quetem uma forte carga simbólica desde tempos imemoriais: o tempo, a vida, a criação, a evolução, o céu, o futuro, a Jerusalém celeste… São alguns dos conceitos que o círculo representa graficamente.

Cada círculo pequeno, em diferentes cores, representa os missionários vicentinos, que em cada parte do mundo respondem com firmeza e alegria o chamado do Evangelho. Cada círculo representa igualmente, as culturas, as sociedades, os países, as histórias, as problemáticas nas quais o missionário se insere para dar respostas aos desafios que estas mesmas situações lhe apresentam.

A cruz que conforma e orienta o círculo é uma cruz de luz que recorda que o Senhor é o caminho, a verdade e a vida. O Senhor ao qual cada missionário deu sua resposta positiva e segue trabalhando por um mundo mais justo e solidário.

O símbolo pretende ser, igualmente, uma homenagem à França, país que acolhe esta Assembleia Geral. As rosáceas das catedrais góticas marcam o pórtico ocidental das mesmas, elas recordam ao peregrino, ao visitante ou ao crente que a vida não termina e que o desejo de Deus é que o homem viva e tenha vida em abundância.

O logo-símbolo não pretende ser exaustivo em sua interpretação. É possível que nenhuma figura diferente da cruz de Cristo possa transmitir o desejo e a opção que a Congregação da Missão fez de sempre estar atenta aos sinais dos tempos e de adaptar-se de maneira criativa e fiel às transformações e desafios que lhe são lançados pela sociedade onde se faz presente. É a Cruz de Cristo a única capaz de recordar ao ser humano que Deus fez uma opção pela humanidade e que esta oferenda se renova cada dia.

O símbolo está acompanhado pelo texto e a razão da Assembleia, sem ignorar o ano jubilar: 350 anos da morte do fundador, que permanece vivo como testemunho da opção e da resposta que a humanidade segue dando ao Plano de Deus.