41ª ASSEMBLEIA GERAL DA CONGREGAÇÃO DA MISSÃO

Visite o site oficial: www.cmglobal.org/es/asamblea-general/


Dia 30/06/2010 – 3º dia

A Celebração Eucarística, às 7 horas, na Capela São Vicente de Paulo foi presidida pelo Pe. Daniel Arturo Vasquez Ordoñes, Visitador da Província da Colômbia e Presidente da CLAPVI.

Às 9 horas, no Auditório da Cúria Geral das Filhas da Caridade, após a oração foi feita a leitura procedeu-se a aprovação da ata do dia anterior.

Passou-se então à eleição dos moderadores da Assembleia que, segundo o Diretório para a 41º AG-2010, artigo 18:

§ 1 –  Os três moderadores serão nomeados antes da Assembleia dentre os mesmos da mesma pelo Superior Geral com o consentimento de seu Conselho, tomando como critério sua capacidade de dirigir e animar uma assembleia. Ao inicio da Assembleia serão propostos ao voto da Assembleia, que poderá aceitá-los ou eleger a outros.
§ 2-   Especialmente competentes no domínio da organização e da dinâmica de grupos, a principal função dos moderadores é ajudar à Assembleia a atingir os objetivos de seu trabalho. Atentos à diversidade das culturas e dos centros de interesse, os moderadores favorecem o trabalho da Assembleia, assegurando o serviço:

a – De dirigir, em forma rotativa, as sessões plenárias de forma ordenada;
b – De indicar quem há de intervir nas sessões plenárias e cuidar que se observe o tempo limite das intervenções (três minutos para as intervenções espontâneas, cinco para as intervenções escritas previamente entregues ao Secretário para sua distribuição aos tradutores);
c – De decidir, com a aprovação da Assembleia, quando se deve submeter a voto uma moção depois da devida e madura deliberação;
d – De apresentar a agenda de trabalho da Assembleia;
e – De comunicar à Assembleia mensagens e informações úteis e pertinentes.

Os moderadores eleitos foram os seguintes:

Pe. Jean LANDOUSIES (Prov. de Paris)
Pe. Gabriel NARANJO SALAZAR (Prov. da Colômbia)
Pe. Dennis H. HOLTSCHNEIDER (Prov. USA)

Prosseguindo os trabalhos Pe. Giuseppe Turati, coordenador da CAPG-2010, fez a apresentação do Documento de Consulta. (Ver anexo)

Seguiu-se nova votação. Desta vez para escolha dos 5 membros que devem compor a Comissão Central juntamente com o Presidente, os três moderadores e o Secretário, conforme o que estabelece o Diretório para a AG-2010, artigo 19:

§ 1-   A COMISSÃO CENTRAL se compõe de um Presidente, três Moderadores, o Secretário e cinco membros eleitos.
§ 2 –  Para a eleição destes cinco membros se procederá assim: cada grupo lingüístico ou região (os grupos serão seugeridos pelo Presidente) propõe ao Presidente três nomes (inclusive de pessoas pertencentes a outros grupos). O Presidente por sua vez apresenta aos membros da Assembleia todos os nomes assim propostos, em ordem alfabética, para uma só votação. Os membros assembleístas votam por cinco candidatos de acordo com sua preferência. Entre os que recebam uma maioria absoluta, se consideram eleitos os cinco que tenham maior número de votos. Se forem necessárias mais de duas votações, na terceira bastaria a maioria relativa.
§ 3 –  A missão da Comissão Central é coordenar e dirigir todo o trabalho da Assembleia, tendo em conta o ritmo, o pulso e o ânimo de seus membros.
§ 4 –  Ao final da Assembleia, a Comissão Central apontará uma lista de compromissos fundamentais que se levarão à discussão na Assembleia antes de ser votados ponto por ponto.

Os assembleístas eleitos, todos no segundo escrutínio, para compor a Comissão Central foram:

Pe. Francisco Javier ALVAREZ MUNGUIA (Prov. Madrid)
Pe. Michael NGOKA (Prov. Nigéria)
Pe. Elie DELPLACE (Prov. de Paris)
Pe. Alberto VERNASCHI (Prov. de Roma)
Pe. Stanislav ZONTÁK (Prov. do Congo)

Entre os dois escrutínios para a eleição destes 5 membros da Comissão Central o Secretário Geral da Congregação da Missão Pe. Cláudio Santangelo apresentou o seu relatório que contou dos seguintes elementos:

1 – Evolução numérica da Congregação da Missão durante estes seis últimos anos (2004-2010).
2 – Ministérios da Congregação da Missão, em números e porcentagens.
3 – Movimento dos coirmãos nas Províncias durante estes seis últimos anos: as novas incorporações, os falecimentos, as expulsões, as incardinações, as dispensas das obrigações sacerdotais.
4 – Quadro apresentando, até junho de 2010, dos ausentes nas Províncias, segundo os distintos tipos de ausências.
5 – Gráfico da evolução dos “admitidos” na Congregação da Missão durante estes últimos seis anos.

Infelizmente, como já é do conhecimento de todos, o número de coirmãos vem diminuindo ano a ano. Em especial diminuiu o número dos coirmãos empregados na formação dos nossos, nas Missões Ad Gentes e como Diretores das Filhas da Caridade.
As mortes são inevitáveis, mas muito nos preocupam as ausências. As reintegrações à comunidade são raras.
Terminada a exposição do Pe. Cláudio seguiu-se animada intervenção de bom número dos assembléias para tratar das diversas questões apresentadas, em especial a que se refere às ausências.
Sem esgotar a questão, entre as causas apresentadas para as ausências e dispensas foram citadas:

– A realidade de profundas mudanças, ou a mudança de época que estamos vivendo e a tentação de continuar colocando “vinho novo em odres velhos”.
– Falta de maior senso de Pertença à Congregação. É preciso investir mais neste elemento durante o processo de formação dos nossos.
– Dificuldades para a Vida Comunitária. Nossas Comunidades nem sempre são acolhedoras como deveriam. É duvidosa a qualidade de nossa Vida Comunitária. É preciso avaliar se a afirmação de nossas Constituições da Comunidade para a Missão não tem favorecido certo esvaziamento da Vida e dos Compromissos Comunitários.
– Falta de fidelidade à Vocação e ao trabalho a que somos chamados.
– Dificuldade em assumir compromissos duradouros, permanentes. Falta de estrutura humana para suportar e superar as dificuldades.
– Falta maior consistência na apropriação da Espiritualidade e do Carisma Vicentino.
– Falta maior clareza de nossa Identidade. Nos documentos a nossa Identidade está clara, mas na prática 1/3 dos membros da CM estão em Paróquias em que nada diferem de Paróquias confia aos padres diocesanos. É preciso reforçar o aspecto Missionário de nossa vocação.
– A questão das ausências é uma questão global ou pessoal? Trabalhamos muito pelas vocações e na formação inicial. Não está na hora de preocuparmos mais com os que estão entre nós?

Na primeira parte da sessão da tarde foram apresenta alguns relatórios do Caminho feito depois da Assembleia Geral de 2004 no que se refere:

1 – Revitalização de nossa Vocação
2 – Fortalecimento da Atividade Apostólica
3 – Renovação de nossa Vida Comunitária.

Os relatórios foram apresentados pelos seguintes Coirmãos:

  • Pe. Juan Corpus DELGADO RUBIO (CEVIM – Conferência de Visitadores da Europa e do Oriente Médio)
  • Pe. Gabriel NARANJO SALAZAR (CLAPVI – Conferência Latino Americana de Províncias Vicentinas)
  • Pe. Michel NGOKA (COVIAM – Conferência de Visitadores da África e Madagascar)

Seguiram-se Grupos de Trabalhos por Conferências e encerramento dos trabalhos do dia.