CELEBRAÇÃO VOCACIONAL

vocacao vicentina

ACOLHIDA: A vocação de cada um de nós está mergulhada no mistério da Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo, que formam a comunidade perfeita. Se Deus é comunidade de amor Ele quer que nossa vocação também seja comunitária. Não existe vocação isolada, “vocação ilha”. Fomos escolhidos, chamados e enviados para uma missão comunitária, para a construção da dignidade e da paz no meio dos homens e mulheres do nosso tempo. Nesta celebração vamos refletir sobre a dimensão trinitária da nossa vocação, ouvindo atentamente os apelos que o Senhor hoje nos faz.

CANTO: Vem, e eu mostrarei

Vem, e eu mostrarei que o meu caminho te leva ao Pai.
Guiarei os passos teus e junto a ti hei de seguir.
Sim, eu irei e saberei como chegar ao fim.
De onde vim, aonde vou, por onde irás, irei também

Vem, eu te direi o que ainda estás a procurar
A verdade é como o sol e invadirá teu coração
Sim, eu irei e aprenderei minha razão de ser
Eu creio em ti que crês em mim e a tua luz verei a luza

Vem, e eu te farei da minha vida participar. Viverás em
mim aqui, viver em mim é o bem maior. Sim, eu irei
e viverei a vida inteira assim
Eternidade é na verdade, o amor vivendo sempre em nós

Vem, que a terra espera quem possa e queira realizar.
Com amor, a construção de um mundo novo muito melhor!
Sim, eu irei e levaria teu nome aos meus irmãos. Iremos
nós e o teu amor vai construir enfim a paz!

DIRIGENTE: Nossa primeira vocação é a vida. A partir da oração do salmo 8, somos convidados a render graças ao Pai Criador por todas as obras maravilhosas de suas mãos. Entre estas obras, estamos cada um de nós, na especificidade de nossa vocação de filhos de Deus, chamados pelo Amor, para amar!

Antífona: “Na medida em que estimarmos a Deus, também o amaremos. E este amor produzirá em nós um desejo insaciável de reconhecer seus benefícios e procurar-lhe verdadeiros adoradores”. (SV XI, 48)

Ó Senhor, nosso Deus, como é glorioso vosso nome em toda a terra! Vossa majestade se estende, triunfante, por cima de todos os céus. Da boca das crianças e dos pequeninos sai um louvor que confunde vossos adversários, e reduz ao silêncio vossos inimigos.

Quando contemplo o firmamento, obra de vossos dedos, a lua e as estrelas que lá fixastes: que é o homem, digo-me então, para pensardes nele? Que são os filhos de Adão, para que vos ocupeis com eles? Entretanto, vós o fizestes quase igual aos anjos, de glória e honra o coroastes.

Destes-lhe poder sobre as obras de vossas mãos, vós lhe submetestes todo o universo. Rebanhos e gados, e até os animais bravios, pássaros do céu e peixes do mar, tudo o que se move nas águas do oceano. Ó Senhor, nosso Deus, como é glorioso vosso nome em toda a terra!

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo…

Antífona: “Na medida em que estimarmos a Deus, também o amaremos. E este amor produzirá em nós um desejo insaciável de reconhecer seus benefícios e procurar-lhe verdadeiros adoradores”. (SV XI, 48)

DIRIGENTE: Na Palavra de Deus, temos a oportunidade de refletir sobre diversas manifestações do chamado do Senhor na vida de seus profetas, seus amigos. Nesta nossa celebração vocacional, veremos o testemunho do jovem Samuel e de como o Senhor a ele se manifestou. Que a exemplo deste jovem profeta, saibamos ter ouvidos atentos para escutar e acolher a vontade de Deus em todos os dias de nossa vida.

LEITURA BÍBLICA: I Sam. 3, 1-10

O jovem Samuel servia ao Senhor sob os olhos de Heli. a palavra do Senhor era rara naqueles dias, e as visões não eram frequentes. Ora, aconteceu certo dia que Heli estava deitado (seus olhos tinham-se enfraquecido, e ele mal podia ver), e a lâmpada de Deus ainda não se apagara. Samuel repousava no templo do Senhor, onde se encontrava a arca de Deus. O Senhor chamou Samuel, o qual respondeu: Eis-me aqui. Samuel correu para junto de Heli e disse: Eis-me aqui: chamaste-me. Não te chamei, meu filho, torna a deitar-te. Ele foi e deitou-se. O Senhor chamou de novo Samuel. Este levantou-se e veio dizer a Heli: Eis-me aqui, tu me chamaste. Eu não te chamei, meu filho, torna a deitar-te. Samuel ainda não conhecia o Senhor; a palavra do Senhor não lhe tinha sido ainda manifestada. Pela terceira vez o Senhor chamou Samuel, que se levantou e foi ter com Heli: Eis-me aqui, tu me chamaste. Compreendeu então Heli que era o Senhor quem chamava o menino. Vai e torna a deitar-te, disse-lhe ele, e se ouvires que te chamam de novo, responde: Falai, Senhor; vosso servo escuta! Voltou Samuel e deitou-se. Veio o Senhor pôs-se junto dele e chamou-o como das outras vezes: Samuel! Samuel! Falai, respondeu o menino; vosso servo escuta! PALAVRA DO SENHOR – Graças a Deus!

REFLEXÃO PARTILHADA: 

LEITOR: Há uma só vocação, que vem de Cristo, convocado e convocante. A vocação especifica-se em vários graus correspondentes aos diversos momentos existências da experiência cristã. E estas experiências tem em Cristo sua fonte, seu sentido, sua referência e unidade.

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo!

LEITOR: Jesus convida a segui-lo, cada um na própria situação em que se encontra. Vinde comigo. Pede confiança Nele. Confiança plena em sua pessoa e não a uma causa. A resposta obediente deve ser vivida no abandono do lugar do trabalho, do status, da casa, da família. Não se trata só de adesão interna, mas de unir-se a Ele em seu projeto de vida. Chama Doze para estarem com Ele e para enviá-los a pregar. O centro da eleição é para que estivessem com Ele. Não é pura adesão intelectual, mas adesão ao seu modo de viver. Os discípulos prolongam a presença e a obra de Jesus.

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo!

LEITOR: A escolha de um estado de vida na Igreja é a encarnação concreta da vocação fundamental. Deus chama através de mediações, não se trata de uma vocação nova, mas o desenvolvimento da vocação fundamental. O chamado é algo original.

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo! 

LEITOR: Vem e segue-Me! É um convite contínuo de Jesus Cristo no Evangelho. Todo cristão é chamado pessoalmente por Deus a participar da plenitude da vida, seguindo os passos de Jesus Cristo e comprometendo-se com a missão de anunciar o Reino de Deus. Todo chamado exige uma resposta e, para que reflitamos acerca do chamado que Deus nos faz e da resposta que daremos a Ele.

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo!

LEITOR: A vocação tem dimensão trinitária: o Pai chama-nos à missão, o Filho dá-nos testemunho e envia-nos, e o Espírito Santo fortalece-nos abrindo caminhos para o anúncio do Reino. Ela nos torna seres humanos plenos, capazes de amar o Criador e toda Sua criação, possibilitando que levemos mais vida aos irmãos, transformando a realidade excludente em que vivemos. 

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo!

LEITOR: Primeiramente somos chamados à vida, a sermos Filho de Deus, a sermos cristãos e a sermos Igreja. Essa é a vocação fundamental. Vivendo esse chamado, somos capazes de desenvolver todas as nossas potencialidades e despertarmo-nos para a vocação específica, que é a vivência dos ministérios, a maneira própria como cada pessoa se realiza plenamente sendo leigo, religioso/a ou padre ou casado.

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo!

LEITOR: Cada vocação é original, é fruto da liberdade, é um acontecimento pessoal, único e incomunicável. Tem como finalidade primeira a humanização da pessoa e o serviço do Reino.

Quando uma pessoa se diz chamada é preciso acreditar nela. A experiência vocacional é pessoal, pode acontecer mesmo em quem não se espera.

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo!

LEITOR: A certeza não vem de imediato, a vocação está submetida a desafios e inquietudes. Uma pessoa pode se sentir atraída por um sistema de valores, mas isto não quer dizer que não se sinta atraído por outros valores. Existe a dúvida.

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo”

LEITOR: A pessoa é convidada a escutar e receber, colaborar com docilidade. Iniciar-se em Cristo é descobri-lo, é deixar que Ele nos encontre, nos agarre incondicionalmente, é recebê-lo. É um estado de permanente conversão. A pessoa é como ovelha perdida, dracma perdida, filho fugido (Lc 15) que entrega nas mãos do Pai e se deixa encontrar qual tesouro no campo ou pérola preciosa. Vai vende tudo, renuncia sua vida e recebe um novo ser. É sair de si mesmo, distanciar-se daquilo que até agora era segurança, o bem estar, o poder, o consumo e, ao mesmo tempo, é entrega total e incondicional a Cristo.

TODOS: É preciso deixar tudo para ganhar tudo”

DIRIGENTE:Num instante de silêncio e reflexão, pensemos em nossa vocação. Em nosso dia a dia como estamos assumindo nosso batismo, nosso empenho pela comunidade? Nossa vida deve ser como a vela; gasta-se, doa-se para poder iluminar, mostrar o caminho. Como temos assumido nossa vocação? Ela tem sido um bom testemunho para aqueles que ainda não fizeram a sua escolha? (Interiorização e Partilha)

ORAÇÃO VOCACIONAL DA FAMÍLIA VICENTINA: 

Pai providente e misericordioso, nós vos louvamos e agradecemos, porque sempre nos chamais a participar de vossa vida e de vossa santidade. Fazei ressoar em toda a Família Vicentina esse vosso ardente chamado de amor. Em vossas mãos, depositamos confiantes nossos esforços na vivência da fé, no cultivo da fraternidade e na construção de vosso Reino de justiça e paz.

Senhor Jesus Cristo, que viestes para evangelizar e servir os pobres, como discípulos-missionários, queremos seguir vossos passos, atentos à vontade do Pai, comprometidos com a Comunidade e solidários com os irmãos mais necessitados. Ajudai-nos a permanecer firmes na fé, alegres na esperança, solícitos na caridade, generosos na missão, para que o mundo creia na verdade do vosso amor.

Espírito Santo, que nos tornais continuadores da missão de Jesus e enriqueceis a Igreja com muitos dons para o serviço da humanidade, tornai fecundo o empenho de todos os membros da Família Vicentina – Leigos e Leigas, Irmãs, Padres e Irmãos – concedei-lhes sabedoria e inspirai-lhes palavras e ações para confortar e animar a todos no compromisso com o Evangelho da vida e da esperança.

Trindade Santa, fazei que produzamos os frutos que esperais, na Caridade e na Missão, firmando nossos pés no caminho que conduz a vós, fonte e meta de nossa vida de peregrinos. É o que vos pedimos, com Maria, a Senhora das Graças, e com São Vicente, o irmão dos pobres. Amém.

1 Comentário

Comentários estão bloqueados.