XVI ENCONTRO DOS RESPONSÁVEIS DA FAMÍLIA VICENTINA INTERNACIONAL
Paris, 28 a 31 de janeiro de 2010
ATA

De 28 a 31 de janeiro, celebrou-se, em Paris, o XVI Encontro de Responsáveis da Família Vicentina Internacional.

Tal como estava previsto, o Encontro deste ano teve dois “momentos” distintos. No dia 28, à tarde, na Casa Mãe da Congregação da Missão, reuniram-se os responsáveis dos três Ramos fundados por São Vicente, além da Sociedade de São Vicente de Paulo. Nos dias 29, 30 e 31, na Casa Mãe das Filhas da Caridade, teve lugar o Encontro dos diferentes Ramos que participaram no ano anterior, além dos convidados que o fizeram pela primeira vez.

INFORME DA REUNIÃO DO DIA 28.

Participantes:

  • Associação Internacional de Caridades: Laurence de la Brosse, Marina Costa e Maria Eugênia Magallanes.
  • Congregação da Missão: Pe. G. Gregory Gay e Pe. Manuel Ginete.
  • Filhas da Caridade: Irmã Evelyne Franc e Irmã Rosa Maria Miró.
  • Sociedade de São Vicente de Paulo: José Ramón Díaz Torremocha e Juan Tirado.
  • Coordenador do “Comitê Executivo da Família Vicentina para o Projeto de Micro-créditos no Haiti”:Pe. Robert Maloney, C.M.
  • Oficina da Família Vicentina: Irmã Maria Pilar López.

Proposta de criação de um “Comitê Executivo da Família Vicentina”

Pe. Gregorio Gay apresentou o processo adotado nos Encontros de Responsáveis da Família Vicentina. Há 16 anos, Pe. Robert Maloney iniciou a celebração desses Encontros com os líderes da Família Vicentina. Pe. Gregório começou a convidar outras Congregações que também seguem a espiritualidade de São Vicente de Paulo, com a intenção de ajudar-nos a experimentar a força do carisma vicentino, mais além da realidade conhecida dos Ramos tradicionais da Família Vicentina.

Depois do Encontro de 2009, iniciou-se um processo de reflexão sobre a conveniência de continuar com o grande grupo, incrementando-o, a cada novo Encontro, com novos convidados. Ao mesmo tempo, porém, viu-se a necessidade de outro tipo de reuniões, em nível dos três ramos fundados por São Vicente (AIC, CM, FC) e a Sociedade de São Vicente de Paulo.

Este grupo reduzido atuaria como Comitê Executivo da Família Vicentina. Nessas ocasiões, seria o interlocutor do “Comitê Executivo da Família Vicentina para o Projeto de Micro-Créditos no Haiti” (doravante, “C.E. FamVin para o Haiti”), que precisa tomar decisões com bastante rapidez e, mais adiante, tomará decisões sobre outros temas que precisam de respostas urgentes. Depois de ouvir e compartilhar as opiniões dos presentes, chegou-se ao seguinte:

Conclusões:

  • Continuarão as reuniões dos membros que atualmente formam o “grande grupo” da Família Vicentina, convidando, a cada Encontro, novas Congregações e\ou Instituições que se inspiram no carisma de São Vicente de Paulo.

Estes encontros terão duas finalidades: a formação permanente e o enriquecimento mútuo, partilhando como cada um dos grupos está vivendo o carisma vicentino. A peridiocidade será bienal.

  • O “Comitê Executivo da Família Vicentina” fica integrado pela “Associação Internacional de Caridades”, a “Congregação da Missão”, a “Companhia das Filhas da Caridade” e a “Sociedade de São Vicente de Paulo”. Atuará em nível carismático, sem necessidade de dotar-se de personalidade jurídica.

Sua missão será atuar como interlocutor do “C.E. FamVin para o Haiti”, nessas ocasiões e em projetos futuros e/ou campanhas que, como Família Vicentina, venham a se iniciar tal como se fez em outras ocasiões. Também deverá tomar outro tipo de decisões que, como Comitê Executivo da Família Vicentina, sejam de sua incumbência.

Corresponderá também ao referido Comitê preparar o conteúdo da reunião do “Grande grupo”.

Reunir-se-á, no mínimo uma vez ao ano e, se necessário com mais freqüência, utilizarão as possibilidades de vídeo-conferência.

Está programada a reunião de 2011 para o dia 14 de janeiro, em Paris, na Casa Mãe das Filhas da Caridade, e a de 2012 para 12 de janeiro, em Roma, na Casa Maria Immacolata.  

Informação sobre o Projeto “C.E. FamVin para o Haiti”

Pe. Robert Maloney, como representante do Comitê Executivo para o Haiti”, apresentou a situação em que se encontra, neste momento, o Projeto Piloto de Microcréditos, aprovado pela Família Vicentina em 2009, por ocasião da celebração do 350º aniversario da morte de São Vicente e Santa Luísa. A situação criada no país por causa do recente terremoto faz com que o Projeto iniciado seja ainda mais oportuno (Na parte sobre o “segundo momento” deste Encontro, serão incluídas mais informações sobre o Projeto).

Com o fim de agilizar as gestões com a Família Vicentina, elaborou-se um “Projeto de Acordo”, no qual se regulam as relações entre a Cúria Generalícia da Congregação da Missão e o “C.E. FamVin para o Haiti”, no que se refere ao procedimento a seguir na recepção de donativos e no modo de obter a autorização para dispor destes valores. A Cúria Generalícia abriu uma conta em dólares e outra em euros, exclusivamente para este fim.

Entre outras coisas, dispõe-se que o Ecônomo Geral informará periodicamente sobre os movimentos das referidas contas e, anualmente, o “C.E. FamVin para o Haiti” elaborará um orçamento que será submetido à aprovação do Comitê Executivo da Família Vicentina.

INFORME DO ENCONTRO CELEBRADO NOS DIAS 29 A 31 DE JANEIRO
 
Participantes:

Dado que o Encontro teria lugar no contexto da Celebração do 350º Aniversário da glorificação de São Vicente e de Santa Luísa, o Padre Gregório convidou também outros membros dos Conselhos Gerais dos diferentes Ramos.

  • Associação Internacional de Caridades: Laurence de la Brosse, Marina Costa e Maria Eugenia Magallanes.
  • Congregação da Missão: Pe. G. Gregory Gay; os Assistentes Gerais: Pe. José Antonio Ubillús, Pe. José Mª Nieto, Pe. Gerad Du; e o Delegado para a Família Vicentina, Pe. Manuel Ginete.
  • Filhas da Caridade: Irmã Evelyne Franc e as Conselheiras Gerais: Irmã Rosa Maria Miró, Irmã Kathleen Appler, Irmã Christa Bauer, Irmã Zofia Daniscakova, Irmã Madeline Hara, Irmã Françoise Petit, Irmã Rosa Maria Napolitano, Irmã Neghesti Michael, Irmã Marlene Terezinha Rosa e Irmã Iliana Suárez.
  • Sociedade de São Vicente de Paulo: José Ramón Díaz Torremocha, Michael Thio, Marco Bétemps e Juan Tirado.
  • Religiosos de São Vicente de Paulo: Pe. Philippe Mura e Pe. Yvon Sabourin.
  • Juventude Marial Vicentina: Yasmine Cajuste, Pe. Pavol Noga, C.M., Irmã Bernardita Garcia, Katarina Mazurova, Argelys Vega e Fabio Cleber Oliveira.
  • Associação da Medalha Milagrosa: Pe. Enrique Rivas e Olimpia Freire de Almeida.
  • Missionários Leigos Vicentinos: Mari Carmen Lupiáñez, Pe. David Fernández, Araceli González e María Jesús Cuena.
  • Federação das Irmãs da Caridade de Estrasburgo: Irmã Denise Baumann e Irmã Veronika Häussler.
  • Federação das Irmãs da Caridade da América do Norte: Irmã Mary Ann Daly e Irmã Caroljean Willie.
  • Fráteres de Nossa Senhora, Mãe da Misericórdia: Fráter Broer Huitema e Fráter Edward Gresnigt.
  • Coordenador do “Comitê Executivo da Família Vicentina para o Projeto de Micro-Créditos no Haiti”:Pe. Robert Maloney, C.M.
  • Oficina da Família Vicentina: Irmã Maria Pilar López.

 Convidados:

  • Irmãs de Nossa Senhora Mãe da Misericórdia: Irmã Mariette Kinker.
  • Irmãos da Caridade: Irmão Lieven Claeys.

Comentou-se que se esqueceu de convidar para o Encontro o representante de DePaul Fondation, hoje DePaulInternational. Ter-se-á isso em conta para futuras convocações.

 Seção de Formação:

Com o objetivo de aprofundar o conhecimento de nosso carisma, duas conferências sobre nossos Fundadores foram programadas.

  • Santa Luísa de Marillac – Irmã Antoinette-Marie Hance, F.C., a partir de seu profundo amor a Santa Luisa, compartilhou conosco o fruto de suas investigações. Maravilhando-se diante do projeto do Amor de Deus pela humanidade, verificou que, também hoje, Ele se serve de nossos caminhos para revelar seu Amor.

Convidou-nos a aproximar-nos de Santa Luísa nas três partes em que dividiu sua intervenção:

1 – A vida de Luísa, distinguindo os primeiros 35 anos de sua vida, enunciados como “Experiência de certa pobreza e fundamentos de sua vida”. Os últimos 34 anos foram apresentados como “O milagre da serva de Deus”.

2 – Um exemplo de sua colaboração: a obra das crianças abandonadas. A escolha deste exemplo não foi motivada apenas pelo início significativo e difícil da obra das crianças abandonadas, mas também para mostrar-nos como a Santa foi capaz de suscitar e coordenar a colaboração de um bom número de instituições, desde o nível mais alto até o nível mais modesto.

3 – Seu segredo: o coração de Cristo ocupou, de certo modo, um lugar no coração de Luísa. Nesta parte, partilhou conosco os aspectos mais importantes de sua espiritualidade: a busca da Vontade de Deus, a contemplação da Trindade e do Verbo Encarnado, a contemplação do mistério da Encarnação Redentora, a Virgem Maria como obra prima de Deus e a Eucaristia que tudo recapitula.

Esta intervenção de Irmã Antoinette-Marie foi muito apreciada. Seguiu-se um intercâmbio por grupos lingüísticos e uma partilha em comum. Muitos participantes manifestaram ter descoberto uma Luísa de Marillac diferente: mulher muito capaz, excelente organizadora e administradora. Também foram destacados os elementos místicos de sua espiritualidade. Grande colaboradora de Vicente de Paulo e das Senhoras da Caridade. Sua vida, suas obras são um exemplo para nós.

  • São Vicente de Paulo, hoje. O Pe. Robert Maloney, a partir de sua grande experiência, iniciou sua conferência expondo os aspectos mais relevantes da “Mudança de horizontes nestes últimos cinqüenta anos”. Junto às mudanças que se produziram em nossa Igreja, depois do Concílio Vaticano II, passamos: de dizer “Dupla Família Vicentina” (Congregação da Missão e Filhas da Caridade) a dizer “Família Vicentina”, expressão que engloba todos os Ramos, com projetos e atividades conjuntas; do predomínio das idéias e costumes europeus a uma Família Vicentina Internacional, onde se valorizam as de outros continentes; de uma atitude assistencial a trabalhar com os pobres para que sejam eles mesmos os atores de sua própria promoção.

Na parte “São Vicente em seu tempo”, Pe. Maloney nos falou da rica personalidade de São Vicente, destacando “a relação filial com seu Pai” que lhe permitiu unir contemplação e ação e “sua caridade para com o próximo”, razão pela qual mereceu que, em seu funeral, se afirmasse que “quase mudou a face da Igreja”.

Ao tratar de “São Vicente, hoje”, Pe. Maloney expressou suas esperanças para nossa Família Vicentina: que sejamos contemplativas e contemplativos na ação, que continuemos crescendo na colaboração para a evangelização e a promoção dos pobres, que permaneçamos junto aos pobres em sua luta pela justiça, que sejamos inventivos, pondo em prática a Mudança de Estruturas em nossos projetos, e também ativos para semear sementes de paz.

Finalizou sua exposição, convidando-nos a nos apaixonarmos pelos pobres e pela justiça.

Na partilha do trabalho em grupos, acrescentaram, às mudanças apresentadas pelo Pe. Maloney, uma maior consciência de pertença à Família Vicentina e uma maior colaboração em projetos comuns. Quanto aos aspectos da personalidade de São Vicente, destacou-se também o fato de ter sido conselheiro de pessoas importantes, o caminhar ao passo da Divina Providência e seu empenho por eliminar as causas da pobreza. Como esperanças para a Família Vicentina, falou-se do desejo de que o que foi vivido no Encontro possa ser vivido com a mesma intensidade em nível local e que atuemos juntos em favor da justiça, unidos a todos os Ramos e respeitando a diversidade.

Informes dos novos grupos:

  • Irmãs de Nossa Senhora, Mãe de Misericórdia.

 Suas origens remontam ao ano de 1832, quando um jovem e enérgico sacerdote, Johannes Zwijsen, viu as condições em que viviam seus fiéis na cidade industrial de Tilburg (Países Baixos). Ele é o fundador das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia que, inicialmente, se dedicaram à educação das meninas. Depois, dedicaram-se também ao cuidado dos enfermos e dos anciãos. Em 1844, fundou os Irmãos da Congregação Mãe da Misericórdia para atender aos meninos.

Nossa Senhora da Misericórdia é sua patrona e J. Zwisen redigiu as primeiras Regras, inspirando-se em São Vicente de Paulo, do qual era grande admirador. Quando da morte do fundador, em 1877, o número de Irmãs era de 1.426. Além de sua presença na Holanda, durante o século XIX, a Congregação se estendeu pela Bélgica, Grã Bretanha, Estados Unidos e Indonésia. Durante o século XX, estabeleceu-se em Zimbábue, Alemanha, Brasil e Filipinas. Atualmente, são 750 Irmãs.

Seu apostolado se desenvolve em escolas, internatos, orfanatos, hospitais, centros para anciãos e deficientes, bem como para cuidado pastoral. Em todos os lugares, sua preocupação consiste em defender os interesses dos mais pobres, proporcionando uma adequada educação e estabelecendo projetos sociais. Tanto na Europa, onde a idade média das Irmãs é muito elevada, quanto no restante dos países, as Irmãs se preocupam em buscar colaboradores conscientes de que continuar no serviço dos pobres é mais importante do que conservar velhas estruturas.

São Vicente é para elas uma contínua fonte de inspiração. Recentemente, a Congregação descobriu de novo que São Vicente e sua espiritualidade têm uma parte muito importante na formação das jovens. Também procuram estar em relação com outras Congregações que seguem o carisma vicentino.

  • Irmãos da Caridade

 Até o século XIX, as pessoas com problemas mentais eram desprezadas pela sociedade e confinadas nos chamados manicômios. Em Gante (Bélgica), os enfermos mentais eram encarcerados no chamado Castelo do Diabo, em masmorras húmidas e frias sem nenhum tipo de cuidado.

Em 1815, o sacerdote Pedro José Triest, que havia fundado a Congregação dos Irmãos da Caridade em 1807, libertou os enfermos mentais de suas cadeias no Castelo do Diabo e dois Irmãos da Caridade começaram a cuidar dos doentes nas masmorras. Este acontecimento foi um sinal. Pela primeira vez, as pessoas com problemas mentais foram tratadas como seres humanos: com cuidado e afeto.

Depois de realizar outras iniciativas com doentes mentais em outros lugares, com meninos de rua, com enfermos incuráveis, dez anos após a fundação, Pedro José Triest, com os Irmãos da Caridade, concretizou como serviços definitivos, a serem realizados pela Congregação: o cuidado das pessoas idosas, dos doentes mentais e o ensino e cuidado dos deficientes.

O fundador escolheu São Vicente de Paulo como patrono e inspirador da Congregação.

Em 1860, os Irmãos se estabeleceram no Canadá e, em 1911, começaram seu serviço na África do Sul, Ruanda, Burundi, Indonésia, Peru, Papua Nova Guiné e Filipinas. Muito importante foi o estabelecimento na África, onde se olhava para os doentes mentais como pessoas possuídas pelos espíritos.

Hoje, a Congregação conta com uns seiscentos membros, que prestam seus serviços em trinta países, seguindo o carisma vicentino que lhes legou o Padre Triest, chamado em seu tempo “Vicente de Paulo da Bélgica”.

Apostolados criativos e dinâmicos dos diferentes Ramos:

No momento da convocação, pediu-se aos diferentes Ramos que apresentassem, no Encontro, algum apostolado que permitisse partilhar, com todos os participantes, a criatividade e a atualidade do carisma vicentino. Os projetos apresentados foram os seguintes:

  • Associação Internacional de Caridades

As Voluntárias de Puebla (México) atendiam desde 2007 um grupo de pessoas anciãs cegas. Uma vez detectadas suas necessidades e capacidades e sob a responsabilidade de uma pessoa do grupo, organizou-se uma oficina de costura. Hoje, podem desenvolver a mesma atividade de forma autônoma e, semanalmente, reúnem-se para comentar o Evangelho.

As Voluntárias da Itália firmaram, em 2008, um protocolo de colaboração com o Departamento de Menores do Ministério da Justiça, com o fim de trabalhar na reinserção de jovens de 14 a 21 anos que saem da prisão. Na Sicília, as Voluntárias acolheram jovens, enviados pelo Centro de Justiça Juvenil, que foram integrados em diferentes atividades de serviço a pessoas carentes.

  • Congregação da Missão

 A comunidade de Xirrundzo (Moçambique) é formada por cinco Padres e um Irmão, que realizam um trabalho comunitário e de pastoral de conjunto. Atendem a três Paróquias-Missão, nas quais a comunidade cristã cresce como uma comunidade ministerial e de serviços. Realizam-se os seguintes ministérios: ajuda e acompanhamento de doentes de HIV/Sida, ajuda escolar e alimentar para meninos órfãos, atendem a capelania do Hospital do Carmelo, administram o projeto de gado da Vice-Província e atendem o centro de Promoção Humana “Renascer para a esperança”. Neste centro, realizam-se diferentes serviços de promoção.

  • Filhas da Caridade

 Em 2006, as Filhas da Caridade chegaram a Masanga (Tanzânia), convidadas pelo Bispo, para colaborar com a comunidade local nos campos da saúde, educação e animação pastoral. A Comunidade é formada por Irmãs procedentes dos EUA, Madagascar e República Democrática do Congo.

A população contava com um pequeno dispensário que já se transformou num hospital, suficientemente equipado, que recebeu a autorização para poder desenvolver o projeto DREAM, em colaboração com a Comunidade de Santo Egídio.

Tarefa muito importante e necessária foi a promoção da mulher. O objetivo, a longo prazo, é abordar os temas da justiça social, principalmente para as crianças e as mulheres. Desde o começo, as Irmãs abordaram o tema da mutilação genital feminina. Sustentadas pela oração e pelo Bispo, de acordo com as autoridades e com os pais de 53 jovens, as Irmãs desenvolvem ali um programa e uma cerimônia final alternativa ao rito de iniciação de mutilação genital. Tanto as Irmãs, como as próprias jovens e seus pais, estão orgulhosos e conscientes de estar vivendo uma mudança histórica.

  • Sociedade de São Vicente de Paulo

 Desde 1990, “La Granja”, situada em Nowra, Nova Gales do Sul, Austrália, presta numerosos serviços de reabilitação a pessoas que sofrem transtornos mentais ou são dependentes químicos, com o objetivo de que possam refazer suas vidas. A obra pode acolher doze pessoas, que costumam permanecer ali em torno de três meses, tendo acesso a serviços de assistência psicológica e médica. O centro conta com cinco edifícios, sendo o principal a residência em si, onde cada pessoa tem um quarto pessoal. Além disso, todos dispõem de cozinha e uma grande sala de estar. Na construção do complexo, os próprios residentes estão implicados, segundo as capacidades de cada um.

  • Federação das Irmãs da Caridade de Estrasburgo.

 Apresentam uma “História de Mudança de Estruturas” que diz respeito a 12 das 14 Congregações que fazem parte da Federação, as situadas na Europa. Trata-se de um trabalho no mundo da saúde, em instituições com alta tecnologia, comprometidas na investigação bioética e com uma organização submetida a grande pressões econômicas.

O trabalho parte da realidade que se vive na Europa, em estreita colaboração com os leigos, a partir do qual surgem sérias interrogações: Quem se preocupa com a dignidade do homem? Que hospital tem direito de rechaçar o aborto pago pela Previdência Social? Quem terá em conta a dignidade do moribundo?

Neste contexto, a Federação se compromete, há dez anos, com um processo baseado nos valores evangélicos e de acordo com as convicções vicentinas. Leigos e Irmãs adotaram um processo de formação e reflexão em três grupos: Superioras Gerais, Irmãs articuladoras e os Diretores das Instituições. Chegou-se à redação de uma “Carta de Valores” para viver na comunidade hospitalar, com o fim de defender a dignidade da pessoa desde o início até o fim de sua vida.

  • Federação das Irmãs da América do Norte.

As 12 Congregações da Federação iniciaram uma Missão de colaboração em New Orleans, onde a população pobre não se recuperou da catástrofe do Furação Katrina. A falta de profissionais nos serviços sanitários, sociais e de educação é suprida por voluntários de curta permanência; na “Casa de Caridade” se lhes oferece um espaço para a reflexão apostólica. As Irmãs da Federação coordenam a atividade dos voluntários e prestam e prestam diversos serviços em colaboração com outros membros da Família Vicentina.

  • Fráteres de Nossa Senhora, Mãe da Misericórdia.

O Irmão Linus Schousten e sua equipe, formada de cinco pessoas de tempo permanente e duas de tempo parcial, dão esperança e alegria no interior das 96 prisões do Kênia. A organização presta este serviço desde 1984, organizando bibliotecas, coordenando os exames, doando artigos para o asseio pessoal, assessorando e organizando atividades esportivas.

Nessas prisões, as pessoas estão confinadas, com uma população mais de três vezes superior à sua capacidade, o que supõe, entre outras coisas, que o Governo cubra só os gastos da “ocupação teórica” e que, para poder dormir, os internos tenham que estabelecer turnos. O nível de corrupção é elevadíssimo.

Uma das partes mais importantes do projeto é proporcionar a possibilidade de formação profissional aos internos, assim como a formação em nível de primário e secundário, sendo muito elevado o número de internos aprovados nos Exames de Estado. Esta formação se estende também aos funcionários.

Informe sobre as atividades do 350º aniversário:

Pe. Manuel Ginete apresentou um resumo das atividades dos diferentes Comitês:

  • Comitê Celebração. A 14 de março, em Paris, Catedral de Notre Dame, foram celebradas as Vésperas, às 17h45 e, em seguida, a Eucaristia, presidida pelo Cardeal André Vingt-Trois. A 25 de setembro, na Basílica de São Pedro do Vaticano, será celebrada a Eucaristia presidida pelo Cardeal Franc Rodé.
  • Comitê Herança. Tal como estava programado, estão sendo publicadas as reflexões vicentinas mensais. Até agora, são seis as publicadas e continuarão até as doze. Estão disponíveis no site. Graças aos Fráteres da Misericórdia, temos traduções para o holandês e o indonésio.
  • Comitê Secretariado. O folheto solicitado foi elaborado e foi publicado por Editions du Signe.
  • Comitê de Finanças. Foi aberta uma conta bancária em dólares e outra em euros, às quais se pode enviar os recursos para o Projeto do Haiti.

Projeto da Família Vicentina sobre Micro-Créditos no Haiti.

O Pe. Robert Maloney informou sobre o projeto de Micro-Créditos no Haiti, aprovado pela Família Vicentina, por ocasião do 350º Aniversário da morte de São Vicente e de Santa Luísa.

O Projeto se situa no contexto dos Objetivos do Milênio, está de acordo com os princípios da Mudança de Estruturas e responde ao que o Papa Bento XVI expressa, três vezes, em sua Encíclica “Caritas in Veritate”.

Facilitou os preocupantes dados demográficos e econômicos do Haiti, antes de ocorrer o terremoto. Foi neste contexto que os Responsáveis da Família Vicentina aprovaram o Projeto, hoje com maior razão de ser.

Atualmente, DePaul University está elaborando um site que permitirá aos membros da Família Vicentina, assim como às organizações de haitianos na diáspora, fazer doações com o fim de financiar os microcréditos que cobrirão aqueles projetos que venham a ser aprovados. Também haverá possibilidade de enviar pequenas quantias para financiar parcialmente um projeto e para o reflorestamento. Estará funcionando a partir do próximo 31 de março.

Explicou o que é “Fonkoze” a instituição com a qual decidiu colaborar para levar a cabo o Projeto. A eleição se fez depois de um profundo estudo de todas as instituições existentes no país. Além da gestão, Fonkoze se compromete com a formação dos beneficiários dos microcréditos.

Atualmente, a Comissão está trabalhando para conseguir fundos de USAID e do Banco Inter-Americano de Desenvolvimento. Está contando com colaboração da DePaul University, que está contribuindo economicamente e apresentará a página Web à diáspora haitiana de Chicago; também com a colaboração da Universidade St. John’s, que vai acolher estudantes do Haiti e apresentará o site à diáspora haitiana de Nova York.

Informação sobre as Seções Continentais para Assessores da Família Vicentina.

O Pe. Manuel Ginete nos informou sobre o desenvolvimento destas Seções, cujo programa se dividiu em duas partes: a primeira se centrou na formação de assessores, diretores e dirigentes da Família Vicentina e a segunda em questões de Mudança de Estruturas. Não se pretendia dar uma formação exaustiva sem introduzi-los no processo e compreensão do método, como uma forma de promover o desenvolvimento sustentável dos pobres.

Tratava-se, além disso, de que os assistentes pudessem atuar com “efeito multiplicador” em seus lugares de origem e também propiciar momentos de intercâmbio de experiências e de formação mútua, com o fim de aprofundar nossa espiritualidade vicentina.

As Seções foram organizadas conjuntamente pelo Grupo Coordenador Local, a Comissão de Mudança de Estruturas e a Oficina da Família Vicentina em Roma. Participaram Missionários, Filhas da Caridade e leigos de diferentes Ramos, especialmente AIC e SSVP. Foi muito importante a presença de Visitadores, Visitadoras, Diretores Nacionais e membros dos Conselhos Coordenadores da Família Vicentina.

Entre os participantes, houve grande entusiasmo e muito interesse em conhecer mais de perto a Família Vicentina no mundo, nossa espiritualidade vicentina, o papel dos assessores e diretores e as experiências de Mudança de Estruturas.

Até o momento, as Seções foram celebradas: no México, para a América Latina; no Brasil, para o próprio país; em Camarões, para África-Madagascar; e na Tailândia, para Ásia-Oceania.

Está prevista uma seção nos Estados Unidos para os dias 4 a 7 de novembro próximo.

Informe sobre a Jornada Mundial da Juventude que terá lugar em Madri em agosto de 2011.

Yasmine Cajuste nos informou de vários aspectos sobre esta Jornada. Foi criada uma Comissão de Coordenação, presidida por ela mesma, na qual estão representados todos os Ramos da Família Vicentina da Espanha.

Foram realizadas várias reuniões nas quais, entre outras coisas, se elaborou um programa provisório e foram criadas várias comissões de trabalho.

O Encontro com o Papa será de 16 a 21 de agosto. Previamente, de 13 a 15, será celebrado o Encontro de Jovens Vicentinos, com o lema: Vicentinos, um estilo de vida para hoje”.

Pediu-se à Família Vicentina Internacional difundir o evento. Para isso, a Comissão solicita um espaço em www.famvin.org e pede que todos os Ramos estabeleçam um link para este espaço.

Pe. Gregory convocou o próximo Encontro para os dias 13 a 15 de março de 2012, em Roma – Casa Maria Immacolata, Vía Ezio, 28.

Finalizou-se o Encontro, colocando-nos sob a proteção de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa.

Laurence de la Brosse
Presidenta – AIC
(Fundação em 1617)

Philippe Mura, rsv
Superior Geral – Religiosos de
S. Vicente de Paulo (Fundação em 1845)

G. Gregory Gay, C.M.
Superior Geral Congregação da Missão
(Fundação em 1625)

Yasmine Cajuste
Presidente Juventude Marial Vicentina
(Fundación en 1847)

Irmã Evelyne Franc, F.C.
Superiora Geral – Filhas da Caridade
(Fundação em 1633)

Enrique Rivas, C.M.
Subdiretor Geral da Associação da Medalha Milagrosa (Fundação em 1909)

José Ramón Díaz Torremocha
Presidente – Sociedade de São Vicente de Paulo (Fundação em 1833)

Mari Carmen Lupiañez
Presidenta – MISEVI
(Fundação em 1999)