Free songs

Encontro de Superiores e Ecônomos – 2012

30 de abril de 2014
VOLTAR

Encontro de Superiores e Ecônomos
Caraça, 28 a 31 de maio de 2012

De 28 a 31 de maio de 2012, a PBCM promoveu encontro com os superiores e ecônomos. Participaram 22 Coirmãos. No dia 29, primeiro dia das assessorias, falaram para nós os profissionais do Instituto AXIS. Na parte da manhã, o conteúdo foi sobre gestão de pessoal. Foram abordados diversos aspectos, tais como gestão de conflitos, estratégias, aspectos comportamentais, relacionamento, motivação. Na parte da tarde, o conteúdo voltou-se para a gestão econômica e seus desdobramentos na gestão de obras: orçamentos, geração de receitas, controle de gastos, como fazer investimentos, etc.

No dia 30, contamos com a assessoria da equipe da ANEND, empresa que presta serviços de contabilidade para a PBCM. Ficamos todo esse dia discutindo e aprendendo as demandas e exigências contábeis que envolvem a prestação de contas das filiais da Província. É necessário esforço constante e corresponsabilidade de todos os Coirmãos para atendermos às demandas jurídicas das áreas tributárias e trabalhistas. Em se tratando da contabilidade de instituição filantrópica, faz-se necessário primar pelo esmero com os relatórios das atividades sociais desenvolvidas; recolher todos os impostos e tributos em dia; recolher os encargos sociais; exigir todos os documentos fiscais dos gastos efetuados; zelar pela manutenção do patrimônio confiado à administração da Província; fazer uma boa gestão dos mais de 300 funcionários que colaboram conosco em nossas obras. Já demos muitos passos neste trabalho, mas precisamos ser incansáveis na realização dos objetivos que ainda temos a alcançar.

No último dia, reservamos para a reflexão do modo como diversas de nossas obras, sobretudo, as Paróquias e os Seminários são mantidos. Ouvindo atentamente as partilhas dos Coirmãos, os relatos das experiências de cada um à frente destas obras, chegamos à conclusão de que é necessário buscar caminhos alternativos para superar os desafios administrativos encontrados. Além de um bom orçamento, prática adotada pela Província em todas as suas filiais, percebe-se a necessidade de se contar com a participação efetiva dos leigos nas diversas atividades que se podem realizar numa missão-paróquia, a saber: conselhos de pastoral, conselhos administrativos, equipe de dízimo, equipe de eventos/festas. Para isto acontecer, é fundamental adotar uma metodologia de trabalho que prime pela descentralização das tarefas e das decisões. É necessário comprometer a todos os envolvidos no trabalho de evangelização.

Quanto à manutenção dos seminários, é evidente a necessidade de revisão do nosso modo de manutenção econômica das casas de formação. O atual modelo pouco compromete os Estudantes diante das exigências administrativas da casa, correndo-se o risco de torná-los meros “consumidores”, ou seja, não se criam nos seminaristas laços profundos com a instituição, capazes de fazê-los sentir-se membros dela. Por isso, é necessário o envolvimento do Estudante na elaboração dos orçamentos para saber dos esforços econômicos empregados naquela casa, na participação nos diversos serviços do seminário, e tomar conhecimento da prestação de contas, etc. Ainda, buscar informações com outras Congregações sobre o modo da manutenção econômica de seminários e práticas administrativas responsáveis que possam nos ajudar a encontrar alternativas viáveis.

A partir destas reflexões, definimos linhas de ação e assumimos compromissos na linha administrativa e econômica, a serem aplicados em nossas Casas e Obras, a saber:

Linhas de Ação

1. Investir na realização de encontros de reflexão e partilha sobre nossa missão e vida, bem como sobre a administração de nossas Obras, integrando teoria e prática.
2. Fazer repercutir o conteúdo abordado neste encontro em nossas Casas e em outros encontros provinciais.
3. Apropriar-se de orientações administrativas emanadas das Dioceses e da própria Província.
4. Conhecer e aplicar os contratos firmados entre as Dioceses e a Província, solicitando dos Bispos e dos Coirmãos maior atenção aos acordos efetuados.
5. Reconhecer e valorizar o protagonismo das pessoas e comunidades que interagem conosco na missão, enfatizando direitos e deveres de ambas as partes.
6. Promover e qualificar a formação dos leigos em vista da participação consciente e ativa de outras pessoas na administração das Obras em que trabalhamos.
7. Assegurar a capacitação de nossos seminaristas na linha da administração.
8. Constituir e impulsionar uma equipe de avaliação permanente da manutenção de nossas Casas de Formação.

Compromissos

1. Aprimorar a capacitação dos leigos que colaboram na administração de nossas Obras, por meio da participação dos mesmos em nossos encontros provinciais.
2. Constituir conselhos administrativos em nossas Obras e, com eles, elaborar orçamentos anuais das missões, paróquias e curatos.
3. Elaborar e/ou revisar contratos entre a Província e as Dioceses, contando com a colaboração dos Conselhos Pastorais e Administrativos.
4. Revisar as formas de manutenção de nossas Casas de Formação.
5. Próximo encontro de superiores (coordenadores) e ecônomos (administradores): 20 a 23 de maio de 2013.

io de Janeiro, 04 de junho de 2012.