Queridos membros da Família Vicentina,

Que a graça e a paz de nosso Senhor Jesus Cristo estejam com todos vocês!

Nesta festa de São Vicente de Paulo, uno-me a vocês para agradecer a Deus pela benção de servir a seu querido Povo; sobretudo a estes homens e mulheres excluídos de sua participação na sociedade; estas pessoas que vivem nas periferias, nossos mestres e senhores. Somos chamados a servir a estes homens e mulheres e a encontrar Cristo neles. Exortam-nos a não só a darmos-lhes nossas vozes em suas causas, mas também a escutá-los e falar por eles. Por isto, como consequência de nossa identificação com eles, convidam-nos a que sejamos seus amigos. (cf. Papa Francisco, Evangelii Gaudium, #198).

Ao responder o chamado para participar no processo da Nova Evangelização, nós, como Vicentinos, temos uma contribuição excepcional a oferecer. Primeiro, durante este ano da colaboração se nos apresenta uma oportunidade para fortalecer os vínculos de cooperação e solidariedade, entre os quase trezentos ramos da Família Vicentina; naqueles lugares onde estes vínculos podem ser débeis ou inexistentes; somos desafiados a explorar caminhos e meios para estabelecer tais vínculos. Dita colaboração é essencial se continuaremos a dar o testemunho de que todos somos um Povo de Deus, uma Família Vicentina.

Vicente de Paulo falou com frequência sobre um processo afetivo e efetivo de evangelização. Nosso esforço para tornar realidade uma colaboração maior entre nós é o melhor meio de assegurar que chegamos a muitos mais membros esquecidos da sociedade.

Além disso, creio que temos outra contribuição importante para oferecer à Igreja, na medida em que nos comprometemos com a Nova Evangelização. Nos últimos anos, temos visto distintos ramos da Família Vicentina unirem-se para mudar estruturas injustas e opressivas, que impedem as pessoas viverem dignamente. Nossa implicação neste processo colaborador de mudança de estruturas nos capacita para que sejamos discípulos-missionários Vicentinos.

Continuemos trabalhando juntos em processos criativos de colaboração de mudança de estruturas; recordando que a última palavra pertence ao livro do Apocalipse: “E vi um novo céu e uma nova terra, porque o primeiro céu e a primeira terra deixaram de existir e o mar já não mais existia” (Ap 21, 1)… E que Deus nos abençoe hoje e todos os dias de nossa vida.

Seu irmão em São Vicente de Paulo,

Reverendo. G. Gregory Gay, CM
Superior Geral