CONGREGAZIONE DELLA MISSIONE

CURIA GENERALIZIA

Via dei Capasso, 30
00164 Roma – Italia
Fax (39) 06 666 3831
Tel. (39) 06 661 3061
e-mail: cmcuria@cmglobal.org

30 de julho 2007
São Justino de Jacobis

Aos membros da Congregação da Missão

Caríssimos Coirmãos,

A graça e a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo encham seus corações agora  e sempre!

Na festa de São Justino de Jacobis, um missionário por excelência, comunico a toda a Congregação os cinco projetos que foram selecionados para o Prêmio Missão 2007. Faço uma breve descrição da importância de cada projeto, além de indicar seus objetivos e as metas se propõem realizar.

Gostaria de animar os Visitadores para que continuem a promover não só o Prêmio Missão, que se concede cada ano no dia 30 de julho, mas também o Prêmio Mudança de Estrututras, que se concede no dia 25 de janeiro, na festa da Fundação da Congregação da Missão.

Cada vez que damos a conhecer os ganhadores deste prêmio, insistimos em que seu objetiovo princiapl é promover a criatividade entre as Províncias, entre todos os seus membros, suas equipes e os grupos de Coirmãos. Esta criatividade, quando motivada pelo amor, é infinita.

Este ano, apresentaram-se só 11 projetos, possivelmente porque antecipamos a data final para a entrega deles, devido a termos programado a data da reunião dos Visitadores para junho, que é quando temos normalmente o conselho de “tempo forte” para a escolha dos ganhadores.

Insisto com os Visitadores para que animem os membros de suas Províncias a participarem ativamente dos esforços para melhorar a qualidade da evangelização dos Pobres no mundo de hoje.

Os ganhadores deste ano são das Províncias de São Justino de Jacobis (Eritréia), Centro-Oeste dos Estaos Unidos (Quênia), Filipinas, Paris (Região de Camarões) e Irlanda.

1. PROVÍNCIA DE SÃO JUSTINO DE JACOBIS

História: As opções preferenciais da Província São Justino de Jacobis, especialmente nos últimos doze anos, foram a formação do Clero e dos Leigos e as Missões Populares. Estamos plenamente convencidos de que esses são trabalhos verdadeiramente vicentinos e estão de acordo com o primeiro artigo de nossas Constituições.

Apesar da situação política instável de nosso País, Deus abençoou nossa Igreja com muitas vocações. Mas temos a impressão de que a motivação mais importante de muitos de nossos jovens, no período de formação para o sacerdócio, provém da situação de opressão política. Pois foi precisamente esta situação que nos motivou a ajudar o Clero secular em sua formação permanente. Nossa Província crê firmemente que as Missões Populares são muito eficientes em todo o País e além disso são muito apreciadas por nosso povo. Para levar a cabo esta missão vicentina, dipomos de uma equipe de missionários que organiza sistematicamente a formação do Clero e as Missões Populares.

Metas e objetivos: O primeiro e mais importante objetivo deste projeto é simplesmente cumprir nossa missão segundo o carisma vicentino. Por meio das Missões Populares, tratamos de chegar até aos Pobres dos lugarejos abandonados, a maioria dos quais não tem párocos, e, por conseguinte, nossas Missões Populares são o caminho para despertar e fortalecer a fé, como também para convidá-los a viver uma autêntica vida cristã. A formação permanente do Clero e dos Leigos também é muito importante porque, como no tempo de São Vicente, suspeitamos que muitas das vocações em nosso País não estão motivadas por um chamado genuíno de Cristo. Nós, Missionários Vicentinos da Província da Eritréia, estamos convencidos de que devemos exercer um papel significativo na formação permanente do Clero, dos Catequistas e dos Leigos Vicentinos.

Métodos e estratégias: Os Coirmãos da Casa da Providência de Hebo trabalharam durante muitos anos na formação permanente do Clero diocesano. Isto se realizou por meio dos retiros anuais e por meio de conferências, o que foi muito apreciado pelo Bispo de Asmara, que também já veio participar do retiro anual.

Desde que na Eritréia se criaram duas novas Dioceses, Keren e Barentu em 1996, as relações entre as três Dioceses não foram muito boas. Os Bispos pediram à Congregação que tratasse de melhorar essas relações. Depois de um sério diálogo e da avaliação que se seguiu, decidimos apresentar um novo programa de formação anual, que acabou sendo uma experiência maravilhosa, inclusive para nós mesmos. As avaliações dos participantes foram incrivelmente animadoras. Por isso, o método principal será um misto de grupos de trabalho, conferências e retiros. Estamos abertos para modificar esta estrutura se for necessário, e para assim enfrentar  as necessidades dos Sacerdotes.

Dispomos de dois Coirmãos para organizar e avaliar o programa de formação permanente, dedicado especialmente aos Sacerdotes jovens, ordenados nos últimos dez anos.

2. PROVÍNCIA DO CENTRO-OESTE DOS ESTADOS UNIDOS: O Programa de Emaús, Nairobi, Quênia

História: O programa de Emaús foi traçado para os Padres diocesanos e se encaixa entre os programas de formação permanente preparados e dirigidos pelos Coirmãos da Missão do Quênia, com a colaboração de outras Congregações e de Leigos.

O programa está centrado nos quatros pilares da formação para Sacerdotes nos territórios de missão: o humano, o espiritual, o intelectual e o apostólico. O projeto se encaixa bem no carisma e no fim da Congregação da Missão: ajudar o Clero em sua formação e prepará-lo para uma participação mais plena na evangelização dos Pobres. O objetivo do programa é fornecer aos Sacerdotes um programa de formação permanente para que possam ser melhores e mais eficientes Sacerdotes nos serviços pastorais aos Pobres.

O programa de Emaús já está em seu quarto ano de serviço. Os Coirmãos da Missão do Quênia o realizam três vezes por ano. Mais de 200 Sacerdotes já passaram pelo programa.

O programa de formação começou como resposta ao chamado dos Bispos do Quênia para que a Congregação ajudasse os Sacerdotes, muitos deles trabalhando sozinhos e desanimados, e ainda dispersos pelas regiões empobrecidas do Quênia. Os membros da Congregaçao da Missão sabem muito bem que a formação recebida no seminário não é suficiente para formar bons Sacerdotes nas áreas de missão. E as oportunidades de formação para esses Sacerdotes, depois da ordenação, são muito poucas. Alguns casos de comportamentos escandalosos, de conseqüências profundas e duradouras, convenceram os Coirmãos de que esses Sacerdotes precisavam não só de formação e de estudos suplementares, mas também de ajuda para viverem sua vocação com um bom comportamento sacerdotal.

O programa de Emaús, centrado em sua origem na Província Eclesiástica da Arquidiocese de Nairobi, agora também inclui Sacerdotes das outras províncias eclesiásticas. Na reunião episcopal de 2007, os Bispos manifestaram o desejo de que também se proporcionasse a seus Sacerdotes a educação e a formação necessária. O resultado final é que o programa de Emaús foi recebido com entusiasmo pelos Sacerdotes participantes e provou sua eficácia e credibilidade durante os quatro anos de sua existência. Muitos dos Bispos do Quênia expressaram seu desejo de que seus Sacerdotes participem dos programas futuros.

Meta do programa: Organizar uma série de seminários, coordenados num marco de reflexão espiritual, a fim de permitir que o Clero diocesano se comprometa no desenvolvimento de uma formação e um crescimento permanente. Ao mesmo tempo incentivar a santidade pessoal e a ajuda sacerdotal para manter sua moral e ajudá-los a melhorar sua competência ministerial nas áreas de missão.

Objetivos:

1.  Fomentar o crescimento espiritual no Sacerdote diocesano.

2.  Promover a renovação espiritual e teológica no ambiente local africano.

3.  Promover a renovação da pastoral para que se possam realizar com mais eficácia a evangelização, a pastoral, a liturgia e também a promoção humana.

4.  Promover a assistência administrativa nas áreas de organização do pessoal e da economia da Igreja.

5.  Fomentar uma saudável vida social entre os Sacerdotes para sua ajuda mútua e fomentar também o sentido da fraternidade sacerdotal.

3. PROVÍNCIA DAS FILIPINAS

História: Faz 20 anos, em abril de 1987, os Missionários Leigos de São Vicente de Paulo se organizaram e passaram a ajudar no ministério das Missões Populares para participarem no trabalho das Missões com os Padres e Irmãos Vicentinos e com as Filhas da Caridade. Procedem de lugares onde houve as Santas Missões, das associações leigas vicentinas, das paróquiias, das escolas dirigidas pelas Filhas da Caridade e de outras escolas tanto públicas como particulares.

Atualmente, temos um grupo de 120 Missionários Leigos colaborando conosco em nossas seis equipes regionais de missões. Este grupo de Missionários está preparado para ajudar nas 24 missões que se organizam e se pregam cada ano.

Além disso nos ajudam nos programas de acompanhamento e mantêm o espírito missionário nas comunidades (paróquias, escolas e capelas dos bairros). Também ajudam nos programas diocesanos, na atenção pastoral aos jovens, na catequese, na música religiosa e na liturgia.

Além de ajudar na formação básica, participam nos programas regionais e nacionais de formação. Cremos que a qualidade de sua entrega missionária poderia ser melhorada com uma profunda e sistemática formação teológica, espiritual, catequética e vicentina. Poderiam também ajudar na formação de líderes da pastoral; muitos desses Missionários Leigos têm capacidade para serem bons formadores e chegar a ser missionários de tempo integral, tanto nas missões locais como nas missões  “ad gentes”.

Meta: Dotar nossos Missionários Leigos (antigos e novos) de uma formação mais sólida e sistemática em catequese, teologia, espiritualidade e liderança pastoral e vicentina.

Objetivos:

1.       Formar em nossas instituições (escolas e paróquias) os missionários e líderes leigos para que possam chegar a ser missionários e agentes de pastoral.

2.       Continuar as sessões de formação permanente por regiões.

3.       Fazer uma reunião anual com os dirigentes nacionais para compartilhar, avaliar e fazer planos para o futuro.

4.       Convocar regularmente, cada dois anos, uma assembléia geral em nível nacional.

5.         Formar e treinar um grupo de formadores entre os Missionários Leigos.

6.      Intensificar a liderança pastoral por meio das conferências especiais para formadores de líderes (“John G. Maxwell Leadership Series”).

7.       Ampliar seus horizontes e suas perspectivas através de experiências e excursões educativas.

8.       Adquirir equipamentos para nossos centros de formação, por exemplo, computadores, projetores, etc.

9.       Imprimir um livro atual de Oração Cristã para que os Missionários Leigos possam fomentar sua vida espiritual.

10.   Facilitar, para aqueles que tenham os diplomas requeridos, os estudos em centros de Teologia e Catequese que ofereçam diplomas de mestrado e doutorado.

Metodologia: O processo de formação consta de conferências, cursos, experiências missionárias e avaliação. Depois se pede a eles que participem nas futuras sessões de formação como conferencistas e facilitadores dos grupos de trabalho.

Além disso, coordenamos e pedimos ajuda aos centros de catequese e teológicos no referente aos conteúdos, à metodologia e ao necxessário para se conseguirem os diplomas de mestrado e doutorado.

4. PROVÍNCIA DE PARIS: Região de Camarões: Como desenvolver laços de cooperação com a Família Vicentina na República Centro-Africana.

Apresentação: Trata-se de enviar uma comunidade de dois ou três Missionários a Bangui, na República Centro-Africana, que têm fronteiras com Camarões, para acompanhar a Família Vicentina que conta com uns 3.000 membros só em Bangui e em seguida avaliar a conveniência da presença da Pequena Companhia por um período mais longo de tempo.

Durante vários anos tivemos contactos com a Arquidiocese de Bangui. Além disso já tivemos oportunidade de organizar reuniões com a Família Vicentina em Bangui; trata-se, portanto, de planejar em vista de uma presença permanente de uma equipe de missionários.

Em diversas ocasiões, os ramos da Família Vicentina e o Arcebispo de Bangui manifestaram seu desejo de acolher uma comunidade da Congregação da Missão na capital. Na região de Camarões, há uma preocupação de abertura missionária; a presença de Coirmãos centro-africanos, a proximidade da República Centro-Africana e os laços que já foram estabelecidos nos impelem a esse compromisso.

Metas:

1.        Assegurar uma presença vicentina em Bangui, na República Centro-Africana, junto à Família Vicentina a partir de setembro de 2007.

2.       Acompanhar e fortalecer a formação dos membros dos diversos ramos da Família Vicentina em Bangui e, no futuro, nas áreas vizinhas.

3.       Coordenar algumas experiências missionárias importantes em Bangui, em conexão com a Família Vicentina presente nas diferentes paróquias.

4.       Estudar a possibilidade de uma nova implantação por um período de tempo mais longo, que tenha implicações sócio-educativas.

Objetivos:

1.         Depois de um ano de experiência, fundar uma comunidade em Bangui, de dois ou três membros da Congregação, junto com a Região de Camarões.

2.         Organizar sessões de formação vicentina para os membros da Família Vicentina e corresponder às expectativas e sugestões ds diversos ramos.

3.         Fomentar os contactos com o Clero local da Arquidiocese de Bangui.

Concretamente: O primeiro objetivo é o acompanhamento e o serviço da Família Vicentina. Depois, começar projetos missionários e finalmente assegurar nosso compromisso pastoral em diferentes paróquias, sobretudo nos domingos.

Uso do prêmio: Este prêmio ajudará a Província nos gastos extraordinários desta nova implantação. A Província e a Região refletiram seriamente durante muitos anos; agora é o momento de decidir sobre a expansão da missão fora de Camarões. Este prêmio nos ajudará na realização concreta deste projeto e manifestará o interesse da Congregação por este projeto de expansão na República Centro-Africana.

5. PROVÍNCIA DE IRLANDA: A Equipe “Ember”

História: A equipe missionária “Ember” começou a existir, em sua forma atual, em l978. Mais recentemente evoluiu para uma direção de leigos, com membros da Congregação da Missão e de Leigos que formam a equipe. O tema central de cada missão paroquial é o “Encontro com Cristo”.

A equipe missionária Ember busca o “Encontro com Cristo” através de quatro meios: a liturgia, a formação na fé, a comunicação e a integração social dos marginalizados.

Nos anos passados, pudemos comprovar que, em geral, tivemos bons resuiltados nos três primeiros meios, mas o último é mais difícil de alcançar.

A equipe sabe muito bem que se alcança melhor este fim através dos leigos da paróquia, mas há muito pouca formação para adquirir as aptidões e os métodos necessários para levar a cabo este ministério.

Com este objetivo, a equipe Ember propõe organizar um curso de formação profissional para os leigos das paróquias e assim facilitar a aproximação e o cuidado dos mais pobres e marginalizados em sua comunidade.

Nos anos mais recentes, fomos chamados para pregar missões nas paróquias pobres tanto da Irlanda como da Inglaterra. Com freqüência o custo da formação dessas pessoas é muito mais do que as paróquias podem pagar.

Gostaríamos de ressaltar que nos últimos anos houve muita cooperação e muito intercâmbio de pessoal com o grupo “Pathways: Exploring Faith and Ministry”, que é um curso dado no All Hallows College para leigos. Este curso foi planejado para o serviço da comunidade local a partir de l984.

Meta: Organizar um curso de formação para as pessoas que trabalham com a equipe das missões, para poderem servir os mais pobres e marginalizados.

Objetivos: Organizar seis sessões de treinamento, entre setembro e maio, no All Hallows College, ou noutro lugar conveniente.

Uso do prêmio: Sabemos que os que querem formar-se para o serviço da catequese e das missões junto aos mais pobres e marginalizados provêm, eles mesmos, das paróquias mais pobres.

O dinheiro recebido nos permitiria levar adiante a formação deles, pagar aos peritos nestas matérias, obter material educativo tanto para os apresentadores como para os participantes, assim como a possibilidade de tomarem algum refresco…

É importante fazer notar que este processo de formação especializada não existe atualmente em nenhuma Diocese da Irlanda.

Peço ao Senhor que derrame suas bênçãos sobre todos aqueles que trabalharam no desenvolvimento destes projetos para a evangelização dos Pobres. Que o trabalho de vocês siga adiante e que inspire os demais a fazerem outro tanto.

Seu irmão em São Vicente,

G. Gregory Gay, C. M.,

Superior Geral