Roma, 24 de dezembro de 2007

A todos e a cada um dos membros da Congregação da Missão

A graça e a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo encham seu coração agora e sempre!

Glória a Deus nas alturas e paz ao povo de Deus na terra.

Quero aproveitar esta oportunidade para agradecer a todos e a cada um de vocês, por suas orações e pelas expressões de solidariedade, por meio dos cartões de Natal e dos e-mails com mensagens sobre este tempo santo. Gostaria de ser capaz de responder pessoalmente a cada um dos votos de boas festas que recebi, mas vou servir-me deste moderno meio de comunicação para fazer-lhes chegar, em meu próprio nome e em nome dos da nossa Cúria em Roma, nossos votos de um Natal cheio de bênçãos e de um ano novo cheio de paz, felicidade e amor para todos. Peço especialmente ao Senhor que cumule todos vocês com sua graça, para que possam ajudar a aumentar esta paz, a alegria e o amor entre vocês e muito especialmente com os Pobres.

Precisamente ontem, 23 de dezembro, voltei de uma visita de dez dias ao Oriente Médio. Chocou-me o contraste entre as esperanças de criar um ambiente de paz, com todo tipo de decorações, cenas de Natal e similares que tinham sido colocadas pelos cristãos nos lugares públicos e a consciência de instabilidade no governo do Líbano, como um exemplo da instabilidade noutros muitos lugares em que somos chamados a trabalhar como Vicentinos.

Uma cena em concreto o expressa com toda a clareza. No Líbano, não longe das casas provinciais das Filhas da Caridade e da Congregação da Missão, há uma praça onde se havia colocado um presépio. Em frente a ele, havia um tanque militar e, nas esquinas da praça, uma forte presença de vigilância militar.

Quero que saibam que, ao visitar os Lugares Santos, em cada um dos que visitamos, rezamos por vocês e por nós. Celebrei a eucaristia com outros membros da Família junto ao lago de Tiberíades, onde Jesus perguntou a Pedro três vezes: «Você me ama?» e estabeleceu sua primazia como cabeça de sua Igreja. Pedi a Deus, naquele momento, para cada um de nós, membros desta Igreja, que nos dê a graça de construir uma verdadeira comunidade de fé,  esperança e amor.

Também celebrei a eucaristia no lugar da Anunciação, onde Maria deu seu «sim» a Deus, e pedi que todos nós continuemos dizendo «sim» a Deus, recobrando o primeiro fervor com que nos entregamos à Congregação. No dia seguinte, celebrei a eucaristia no Sepulcro de Nosso Senhor Jesus Cristo e ali pedi que todos nós vivamos profundamente a vida nova que a ressurreição tornou possível para todos nós e que possamos partilhar continuamente esta vida entre nós e com os Pobres.

Na véspera de meu retorno, celebramos a eucaristia no território ocupado de Belém, atrás da alta muralha, na igreja de Belém, no mesmíssimo lugar em que  “o Verbo se fez carne e habitou entre nós”. Rezei especialmente para que todos nós, como Congregação da Missão, adoremos sempre esse Deus que veio a nossas vidas como homem na pessoa de Jesus Cristo e que o honremos, vivendo os valores do Evangelho como ele nos ensinou e que o façamos sobretudo em favor dos Pobres e junto com eles, a partir da realidade deles; que sejamos sempre criadores de paz, oferecendo esperanças num mundo em que tantos vivem sem esperança.

Feliz Natal.

Seu irmão em São Vicente,

G. Gregory Gay, C. M.,

Superior Geral